Dia do Cerrado: data é comemorada em meio ao fogo e desmatamento

Mato Grosso já teve 1,7 milhão de hectares consumidos pelo fogo. As áreas queimadas no Cerrado representam 31% desse total

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O Cerrado é o segundo maior bioma do Brasil e se estende por 12 estado. Ele também é a segunda maior formação natural da América do Sul e a savana mais rica em biodiversidade do mundo. Com tanta importância, nesta sexta-feira (11), comemora-se o Dia do Cerrado.

A data, contudo, chega em meio ao fogo das queimadas e o desmatamento.

De janeiro até 17 de agosto, Mato Grosso teve 1,7 milhão de hectares consumidos pelo fogo. A área é cinco vezes maior que a cidade de Cuiabá – a capital do Estado. As áreas do Cerrado representam 31% desse total.

Em Chapada dos Guimarães, cidade turística, o fogo já consumiu 2 mil hectares de vegetação nativa.

O monitoramento feito pelo Instituto Centro de Vida (ICV), com base nos dados do Instituto de Pesquisas Espaciais, concluiu que o desmatamento na Amazônia está deixando a seca mais severa no Centro-Oeste do país.

“Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, tiveram regiões no Cerrado esse ano – entre os meses de abril, maio e junho – que tiveram até 110 dias sem chuva. Algo que, para essa época do ano, não é comum”, destaca Vinícius Silgueiro, do ICV.

LEIA TAMBÉM

No Cerrado, os alertas se concentram em imóveis registrados no Cadastro Ambiental Rural (61%), seguidos das áreas não cadastradas (21%) e dos assentamentos rurais (11%).

Em outras palavras, mais da metade dos alertas de foco de incêndio estão em áreas legais.

“Os dados apontam que a maior parte do desmatamento no Estado acontece em imóveis no Cadastro Ambiental Rural, ou seja, é possível verificar a origem e a legalidade. Isso é importante e deve pautar políticas de fiscalização e responsabilização de infrações”, explica Ana Paula Valdiones do ICV.

Vegetação no chão

Além do fogo, o desmatamento tem ameaçado o bioma. Entre 2018 e 2019, segundo o INPE, o desmatamento ceifou 6.483,4 Km² do bioma no país – o equivalente a quatro vezes o território da cidade de São Paulo (SP).

Do total de árvores derrubadas, 7% estava em áreas que são protegidas. As terras indígenas também foram afetadas. A TI Pareci foi a mais atingida e representou quase metade de todo o desmatamento detectado em áreas indígenas no Cerrado mato-grossense.

Os municípios que lideram a lista são Comodoro, com 50 km², Cocalinho, com 34 km², Rosário do Oeste, com 34 km² e Campos de Júlio, com 32 km². Juntos, somam 1/4 de toda a área de alertas detectados no bioma.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPresidente do TJMT poderá ser reeleito para mais dois anos de mandato
Próximo artigoPenas mais duras: proposta quer punir policiais motivados por preconceito