Dia do calcário lembra importância do insumo para desenvolvimento da agropecuária brasileira

Estudos científicos apontam que o calcário agrega uma série de vantagens

(Foto: Assessoria)

24 de Maio, Dia Nacional do Calcário Agrícola. Embutida na data, simbólica, o reconhecimento do papel do composto mineral no processo histórico de expansão da agricultura, que hoje permite, inclusive, sucessivos recordes nas safras do campeão nacional da produção de grãos, Mato Grosso. Sem desprestígio à pecuária país afora, que também conta com o calcário como aliado para a maior e mais rápida conversão do capim em arroba de boi.

Neste novo “aniversário”, o calcário reafirma os benefícios comprovadamente entregues a lavouras e aos mais diversos perfis de culturas, propriedades e produtores rurais. Estudos científicos apontam que o calcário agrega uma série de vantagens, incluindo a produção de mais vagens por pé de soja, colmos mais fortes no milho e capim mais volumoso e nutritivo ao rebanho.

Pesquisa científica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) iniciada em 2014 ampliou o acervo de estudos nesse sentido. Liderada pelo professor Doutor Anderson Lange, se debruça sobre pés de soja e milho, com a aplicação de diferentes tipos, dosagens e granulometrias de calcário.

O ponto de partida da pesquisa foi analisar se a aplicação convencional de calcário adotada por produtores em Mato Grosso, de 2 a 2,5 toneladas de calcário por hectare cultivado, em superfície, era a mais apropriada, considerando os solos tipicamente ácidos da região.

Testes e mensurações identificaram que a prescrição agronômica ideal beira as 5 toneladas de calcário ou mais, buscando-se elevar a saturação por bases do solo (o chamado V%) a 75%, patamar que sinaliza maior fertilidade.

“Ainda há um paradigma, um medo, algo cultural entre os produtores que vieram do Sul e Sudeste do país, de que um suposto excesso de calcário em superfície provoque danos ao solo e consequentemente às plantas, um temor de que prejudique a fertilidade do solo. Mas os estudos estão demonstrando o contrário. A falta de calcário, aliás, é muito mais nociva à produtividade das lavouras”, alerta Anderson Lange.

Sustentabilidade

Dada sua importância à maior produtividade, o calcário também tem seu espaço de afirmação na sustentabilidade. O uso regular e adequado do insumo, sob a devida prescrição técnica, assegura que o produtor obtenha mais resultados na produção numa mesma área já aberta.

“Temos o orgulho de dar a nossa contribuição a uma engrenagem moderna, social e ambientalmente responsável, que ajuda a alimentar o mundo. O calcário é um insumo natural que está diretamente ligado à mesa de milhões de famílias”, destaca Ricardo Dietrich, presidente do Sindicado das Indústrias de Extração de Calcário de Mato Grosso (Sinecal-MT).

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBloqueio de R$ 572 mil
Próximo artigoVídeo | Vento forte derruba estátua da Havan no Rio Grande do Sul