Dez alunos de escola pública do interior tiveram mais de 900 pontos na Redação do Enem

Eles estão entre os 1,9% dos candidatos que alcançaram entre 900 e mil pontos na redação, nas 4,1 milhões de provas corrigidas

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A redação é uma ‘tensa’ e importante etapa para quem realiza o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No entanto, é um desafio superável por meio do desenvolvimento do hábito da leitura, exercício prático da escrita e, principalmente, senso crítico, de acordo com os estudantes cacerenses Gabriella Alves Queiroz de Freitas Leal, 18 anos, e Paulo Henrique Cardoso Barbosa, 17 anos.

Gabriella e Paulo são alunos do Instituto Federal de Mato Grosso no município de Cáceres (225 km de Cuiabá), que teve, ao todo, 10 estudantes num grupo seleto de menos de 2% dos candidatos que obtiveram nota superior a 900 pontos na prova de Redação.

A partir do tema “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”, eles se destacaram, com base nos critérios do exame, apresentando redações que demonstraram domínio da forma padrão escrita da língua portuguesa; compreensão e desenvolvimento do tema dentro da estrutura de texto dissertativo-argumentativo, organização e apresentação coerente das ideias, além da elaboração de propostas de intervenção social para os problemas relacionados ao tema.

Foto: Assessoria

“Fazer várias redações nos ajuda no controle do tempo, que é uma das coisas mais difíceis no Enem, porque temos que controlar a tensão e organizar nosso tempo para fazer as outras provas. Também é muito importante ficar atento aos assuntos que estão sendo refletidos na sociedade”, afirma Paulo, recém-formando em Informática Integrado ao Ensino Médio.

Nas palavras do estudante, que pretende cursar Medicina, o seu desempenho na redação foi facilitado pelo fato do IFMT Cáceres “ser uma escola boa em infra-estrutura e ter bons professores que sempre nos levam a pensar e refletir sobre a sociedade”.

Para Gabriella, formada no Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio, a nota da redação é resultado do seu processo de formação facilitado com a possibilidade da educação integral.

Leia também:

“Tema meio estranho, difícil e fiquei bem nervosa”, diz estudante nota mil em Redação 

“Durante os 3 anos do curso a gente é preparado para escrever bem, não só redação, mas outros trabalhos acadêmicos. Na escola, acabamos tendo essa vivência com o estudo integral. Até na hora do almoço tem sempre alguém fazendo um trabalho e a oportunidade de discutir sobre algum assunto, sobre alguma disciplina. É diferente do que vejo com quem estuda só um período”, comenta.

A estudante já foi premiada em projeto de iniciação científica com o 1º lugar nacional na categoria Incentivo à Pesquisa, na 23ª Feira Internacional Ciência Jovem, realizada em Recife-Pernambuco, em 2017.

Mesmo com a ótima avaliação na redação, Gabriella reflete a necessidade de ampliar o tempo dedicado à leitura. “Eu acho que se eu tivesse tido a consciência de ter me dedicado um pouco mais à leitura, tinha sido melhor na redação”, afirma a estudante, que pretende cursar Medicina Veterinária em uma universidade federal no Rio de Janeiro.

Outros alunos recém-egressos dos cursos técnicos integrados ao ensino médio do IFMT Cáceres, Thamires Motta da Silva, Arthur Sene dos Santos, Guilherme Pavini Nunes, Mario Antonio Barros de Assis Junior , Wesley Ferreira Teixeira Pereira, Abdenego Saldanha Domingos, Amanda Cardozo Rocha e Fernanda Gomes de Oliveira Lima Moran também estão entre os 1,9% dos candidatos que alcançaram entre 900 e mil pontos na redação, nas 4,1 milhões de provas corrigidas nessa edição, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Com informações da assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJovem preso por engano é solto no Rio
Próximo artigoMourão descarta “por enquanto” privatização dos Correios