Desvio de R$ 30 milhões do Detran vai ser julgado pela Justiça Eleitoral

Desembargadores reconheceram prática de caixa dois e declinaram competência para julgar o caso

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) decidiu enviar para a Justiça Eleitoral as ações relativas à Operação Bereré/Bônus. As investigações apuraram o desvio de R$ 30 milhões do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

A decisão dos desembargadores é desta quinta-feira (10), quando analisaram um recurso do empresário Marcelo da Costa e Silva. Ela se pautou em entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), que reconheceu a competência da Justiça Eleitoral para julgar crimes comuns conexos aos eleitorais.

O julgamento do pedido teve início em agosto, quando o relator, desembargador Paulo da Cunha, votou por remeter a ação. Ele foi seguido por outros sete magistrados. No entanto, pedido de vista de Orlando Perri adiou o fim da análise.

Ao retomar o julgamento nesta quinta-feira, Perri decidiu também reconheceu a existência de um crime eleitoral: caixa dois.

O magistrado destacou que, segundo o ex-presidente do Detran, Teodoro Lopes, o “Dóia”, os valores desviados teriam sido usados na campanha eleitoral de Silval Barbosa e do ex-deputado Mauro Savi, em 2010. Perri ainda lembrou que a denúncia do próprio Ministério Público citava o crime eleitoral.

Após o voto de Perri, outros desembargadores também acompanharam o relator.

Bereré/Bônus

Movidas pelo Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), as operações Bereré e Bônus apuraram um esquema de corrupção no Detran-MT. O caso passou a ser investigado após delação premiada do ex-presidente da autarquia, Teodoro Lopes, o “Dóia”.

A primeira fase, deflagrada em fevereiro de 2018, resultou na intervenção do Estado junto à administração do Detran, por decreto do ex-governador Pedro Taques (PSDB).

Já a segunda fase, Bônus, foi deflagrada no dia 9 de maio. Foi quando houve a prisão de Paulo Taques, do advogado Pedro Zamar Taques, do ex-deputado Mauro Savi e dos empresários Claudemir Pereira dos Santos, Roque Anildo Reinheimer e Valter Jorge Kobori.

Ao final, a denúncia foi oferecida pelo Ministério Público contra 58 pessoas investigadas. Depois do caso, devido ao núcleo político do esquema, a ação foi desmembrada.

Nessa quarta-feira (9), o desembargador Paulo da Cunha negou pedido de Mauro Savi para realizar uma viagem. Ele tinha a intenção de passar as férias no exterior.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRyan Gosling estaria cotado para filme solo do Lex Luthor
Próximo artigoAdolescente denuncia ex-cunhado por estupro ao descobrir que ele fez nova vítima

O LIVRE ADS