Desigualdade salarial: bancária consegue direito de receber o mesmo que colega

Funcionária provou na Justiça que recebia menos que o colega, apesar de exercem a mesma função

(Foto: Reprodução)

Mulheres ganham em média 20,5% menos que os homens no Brasil. O dado é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma bancária de Cuiabá faz parte desta estatística. Ela precisou entrar na Justiça e provar que recebia menos que o colega, apesar de exercem a mesma função.

Agora, ela vai receber o pagamento das diferenças salarias a que tem direito.

A bancária e o colega foram gerentes de uma rede bancária entre 1998 e 2013. Ele passou a ocupar a função apenas um mês antes dela.

LEIA TAMBÉM

A rede bancária já havia sido condenada em 2016, mas recorreu da decisão.

A Justiça, entretanto, entendeu que a empresa não conseguiu apresentar situações que justificassem a diferença salarial.

No curso do processo, testemunhas informaram que a bancária era gerente em uma agência classificada como de grande volume de negócios. O colega, por sua vez, atuava em agência de porte médio.

Com a decisão mantida, a bancária vai receber a diferença dos salários e seus reflexos em férias, 13º e depósitos do FGTS.

O que manda a lei

A equiparação salarial tem como base a Constituição Federal (artigos 5º e 7º) e a CLT, que em seu artigo 461 estabelece salário igual para trabalhadores que exerçam a mesma função.

O empregador não pode justificar eventual diferença de remuneração com base em sexo, cor, nacionalidade, etnia ou idade dos empregados.

A regra só prevê exceções nas seguintes situações: diferença de produtividade e de perfeição técnica entre os trabalhos realizados, por exemplo.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMulheres na mineração
Próximo artigoMulheres traficantes “compravam” a simpatia de moradores com cestas básicas