Desembargador Sakamoto está apto a julgar Selma Arruda

A senadora havia pedido a suspeição do desembargador

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O juiz membro do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), Jackson Coutinho, rejeitou o pedido de suspeição contra o desembargador Pedro Sakamoto para julgar o processo que pode resultar na cassação da senadora Selma Arruda (PSL).

A defesa de Selma ainda pode recorrer, mas sem que isso impeça o julgamento do processo que pode lhe cassar o mandato, que ocorre neste momento na Corte Eleitoral.

O magistrado era acusado pela senadora de ter “adiantado” seu voto à imprensa. Afirmando ter lido todas as matérias relacionadas pela defesa, Jackson Coutinho disse não ver qualquer motivo para atender o pedido.

[featured_paragraph]”Não se pode admitir a instauração de um quadro paranoico no processo”, disse o juiz membro, pontuando que sequer a própria senadora afirmou no pedido que Sakamoto concedeu entrevistas afirmando como votaria.[/featured_paragraph]

Na sessão de terça-feira (9), o Ministério Público Eleitoral já havia se manifestado contra o pedido de suspeição. Além disso, o próprio Sakamoto se defendeu negando ter concedido qualquer entrevista nesse sentido.

Para o órgão ministerial, Selma Arruda não apresentou qualquer indício de que as notícias que anteciparam o voto de Sakamoto fossem reais. Além disso, destacou que a senadora arrolou como testemunhas os próprios jornalistas, quando o Código de Processo Civil prevê que tais profissionais não são obrigados a revelar suas fontes.

“Não há qualquer indício mínimo de que tais fatos guardem qualquer verossimilhança e a maneira pela qual se pretende prová-los é inócua”, diz trecho do parecer.

Leia também

Fávaro quer que PGR investigue Selma Arruda por falsidade ideológica

Cardozo defende que Fávaro assuma Senado até nova eleição 

Pedido de suspeição de desembargador adia julgamento de Selma Arruda

Selma contrata nova defesa

Selma Arruda tem contas de campanha reprovadas pela Justiça Eleitoral

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUma magistrada, duas cortes
Próximo artigoMulher morre eletrocutada ao lavar a roupa com um rádio na mão