Desafios das eleições de 2022

(Foto: © Fábio Pozzebom/Agência Brasil)

A partir das próximas eleições o partido que não alcançar a cláusula de barreira mínima de 2,0% dos votos válidos do país caminhará para extinção.

Para termos um parâmetro, dos 33 partidos existentes, apenas 18 tiveram mais de 2,0% dos votos totais nas eleições desse ano e no mínimo 1% em cada Estado da Federação.

Isso significa que se esse cenário se mantiver em 2024, apenas 18 partidos sobreviverão à cláusula de barreira imposta pela lei.

Alguns partidos conhecidos não obtiveram esse ano o mínimo de 2 milhões de votos: PROS, NOVO, PV, PSOL, PCdoB, Avante, PRTB, DC, PSC, Republicanos, PTB, PATRIOTAS, PSL e Solidariedade.

Essas medidas adotadas diminuirá a pulverização das forças políticas nas câmaras, facilitando “em tese” a coalizão com o executivo e extinguirá os partidos chamados “de aluguéis.”

Foi uma cartada de mestre da classe política, pois restringiram as possibilidades de candidatos outsiders e novatos se elegerem em siglas menores pra não disputar com políticos no mandato.

A lei obrigará os candidatos novos mais competitivos mudarem para uma sigla maior, sob o risco de não alcançarem coeficiente eleitoral.

E de lambuja, com a diminuição do número de partidos, no futuro sobrará mais dinheiro do polpudo fundo eleitoral e tempo de TV para ratear entre os partidos maiores.

Ocorrerá até 2022/24 por força da nova lei, mega fusões, extinções e uma alta concorrência para eleições de deputados, principalmente federais. As fusões funcionarão como força centrípeta, o oposto das cisões e fragmentações partidárias ocorridas no passado.

O fim das coligações proporcionais forçará os partidos a terem nomes mais competitivos nas chapas, especialmente na cota de mulheres e assim será para os demais concorrentes.

Para os partidos pequenos sobreviverem às cláusulas será preciso ampliar o número de votos nominais em 2022. Projeta-se que nas próximas eleições proporcionais teremos um acréscimo de no mínimo 40% a mais de candidatos. Por isso as chapas serão mais enxutas.

Calculo que pelo menos 12 partidos em Mato Grosso montarão chapas de deputados federais, um recorde histórico de partidos e candidatos no Estado, reverberando nas chapas estaduais.

A disputa será muita mais acirrada, mas com uma considerável vantagem para os 8 deputados eleitos, que terão maior acesso aos fundos eleitorais.

O fim da coligação e a cláusula de barreira pode evitar muita “renovação” e a política ficará ainda mais concentrada, nas mãos de alguns nomes tradicionais donos de partidos que terão maior acesso aos fundos eleitorais e contam com seus mandatos.

Se os parlamentares quisessem realmente mexer no modus operandi da política e fazer uma reforma de verdade: Acabavam com a reeleição – tirando a máquina da disputa- aumentava o tempo do mandato para 5 anos; acabava com foro privilegiado; Revia a legislação dos partidos políticos -aperfeiçoando a democracia interna e aumentando a transparência no uso do Fundo Eleitoral; Implantaria o recall de mandato e implantava o voto distrital misto.

Com isso a classe política, esse arquipélago no oceano, se afasta cada vez mais do continente calhamaço eleitorado do país. Contínuo achando que só aperfeiçoaremos o sistema democrático com mais democracia.

No mundo inteiro, democracia e mudança são sinônimos, mas aqui, em pindorama prevalece os costumes.

Maquiavel afirmou no séc. XVI que o maior objetivo de quem está no poder é permanecer nele pelo maior tempo possível. Eles conseguiram então!

Suelme Fernandes è mestre em História pela UFMT. Siga no Instagram: @suelmefernandes

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSalário mínimo para 2021: entenda como será calculado o valor
Próximo artigoSTJ manda prender duas desembargadoras por venda de sentença