Deputados querem que Assembleia financie pesquisa sobre real número de infectados

Estimativa é que o estudo custe cerca de R$ 6 milhões. UFMT tenta um financiamento desde o início da pandemia no Estado

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) pode destinar uma parte de seu orçamento para bancar uma pesquisa que revele um número de contaminados pelo novo coronavírus mais próximo do real.

A Comissão de Saúde, instalada no Parlamento, já aprovou a proposta. A ideia é que se financie a realização de um “inquérito de soroprevalência” no Estado. Uma pesquisa para a qual a Universidade de Mato Grosso (Unemat) em conjunto com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) busca recursos desde o primeiro caso de covid-19 registrado em Cuiabá.

Médico sanitarista, o deputado estadual Lúdio Cabral (PT) foi o autor do projeto. Sua proposta é que, justamente a Unemat com a UFMT façam o trabalho.

A pesquisa deve criar um raio-x da epidemia de coronavírus e seria feita por amostragem.

Um trabalho que custaria em torno de R$ 6 milhões, conforme estima a doutora Ana Claudia Pereira Trettel, virologista, epidemiologista e professora-adjunta da Unemat e também docente do mestrado em Saúde Coletiva da UFMT.

Segundo ela, a proposta das universidades é fazer o inquérito epidemiológico em sete cidades polos: Cuiabá, Várzea Grande, Cáceres, Rondonópolis, Tangará da Serra, Barra do Garças e Sinop.

Se o trabalho fosse limitado a estas cidades, o custo da pesquisa ficaria na casa dos R$ 700 mil. Os pesquisadores da Unemat e UFMT já tentaram levantar o valor junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat). Até o momento, não tiveram retorno.

Agora, com a possibilidade de um financiamento vindo da Assembleia Legislativa, a pesquisadora garante: “as duas universidades têm expertise e profissionais que podem, em conjunto, realizar a pesquisa. O que não temos são os recursos para fazer a aquisição dos equipamento de proteção individual e os insumos laboratoriais para poder fazer a testagem”.

Resultado da pesquisa ajudaria autoridades a definir medidas mais eficazes de combate ao contágio e a liberar comunidades que estão mais à salvo do vírus (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Para que serve a pesquisa?

Ana Trettel explica que as informações colhidas no inquérito epidemiológico vão dar uma real noção de quanto o vírus se espalhou pelo Estado, o que permitiria ações de combate mais efetivas.

“A proposta inicial era fazer três ondas, para saber se subiu ou desceu a infecção. E, a partir disso, a Secretaria de Estado de Saúde poderia organizar ações mais restritivas ou, talvez, ações que pudessem ir liberando determinadas regiões”.

Sobre o valor a ser investido, ela lembra que a principal variável é o preço dos testes – que custa em média R$ 200 por pessoa. Outros fatores que pesam no orçamento são: transporte, deslocamento das equipes e insumos laboratoriais.

Para Lúdio Cabral o inquérito de soroprevalência é importante porque vai apontar para um “número real de infectados”, o que permitirá conhecer a evolução da curva de contágio.

“Poderemos saber também qual a parcela da população que já teve a covid-19 e agora está imunizada”, diz o parlamentar, lembrando que, devido aos casos assintomáticos ou com sintomas muito leves, os dados oficiais “são apenas a ponta do iceberg”.

LEIA TAMBÉM

“Se conseguirmos realizar o inquérito de soroprevalência em Mato Grosso, conseguiremos saber com antecedência quando a epidemia atingirá o pico e começará a descida. Com isso, as medidas de combate à covid podem ser tomadas com base em projeções mais precisas”, ele pontua.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. O engraçado é que se investe tanto em órgão de controle, fala -se tanto em transparência, em tecnologia e ainda precisa de 6 milhões pra contar doentes (infectados). É brincar com a cara do contribuinte, do pobre trabalhador. 6 milhões pra um monte de informação que pouco vão ser utilizadas e que podem avivar varios questionamentos e mais dinheiro para a contra prova da pesquisa. DEPUTADOS INVISTAM NA SAUDE EFETIVA DA POPULACAO. FORTALECAM O SISTEMA DE SAUDE. VALORIZEM NOSSOS AUDITORES PUBLICOS, RESPEITEM OS ORGAOS DE CONTROLE.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTratamento precoce da covid-19 poderá esbarrar na falta de profissionais da saúde
Próximo artigoTestagem ao mínimo

O LIVRE ADS