Deputados devem arquivar decreto que pretendia cancelar intervenção em hospital

Intenção de parlamentares é encontrar um meio termo para o São Luiz, em Cáceres, atender SUS e planos de saúde

(Foto: Reprodução/Mayke Toscano/Secom MT)

Deputados estaduais não devem votar o decreto legislativo para sustar a requisição administrativa, feita pelo Governo de Mato Grosso, ao hospital São Luiz, em Cáceres (214 km de Cuiabá). O deputado Eduardo Botelho (União Brasil) disse que o decreto será arquivado. 

Ele afirmou que chegou a um acordo com o deputado estadual Lúdio Cabral (PT), autor do decreto, para evitar o cancelamento do controle administrativo e passarem a estudar uma medida para casar atendimentos das redes pública e privada. 

“A grande questão é que todos lá concordam que o governo agiu certo com a intervenção, agora tem a questão dos planos de saúde. Então, vamos aguardar informações técnicas para acharmos um meio termo, para que os planos de saúde continuem sendo atendidos”, afirmou. 

A requisição do hospital foi anunciada há um mês pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Desde então, Lúdio Cabral tem tentado colocar em votação decreto para desfazer a intervenção. 

O problema seria que o São Luiz é o único hospital privado na região de Cáceres a atender clientes de planos de saúde. Conforme Botelho, cerca de 20 mil pessoas são assinantes nos municípios ao redor.  

Com a transferência do controle para o Estado, o hospital passou a ser exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Mais cedo, o governador Mauro Mendes afirmou que a intervenção ocorreu por queda na produção do Hospital São Luiz. A direção estaria amparada a continuar a receber o mesmo pagamento por conta de uma lei federal. 

“O hospital recebe R$ 2,5 milhões por mês e prestava serviços só na casa de R$ 1 milhão por mês. Lamentavelmente, não tínhamos como mudar porque tinha uma lei federal que autorizava esse tipo de coisa, por conta da pandemia. Não atendia a população SUS e recebia por isso”, pontuou. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSeguindo sem pressa
Próximo artigoO Languishing e a saúde mental do trabalhador