Deputados de MT liberam 35% do público nos estádios de futebol

Quem quiser assistir a partida terá que apresentar teste negativo de covid-19 ou comprovante de vacinação

(Foto: Rodolfo Perdigão/Secom-MT)

A Assembleia Legisativa de Mato Grosso (ALMT) aprovou nesta segunda-feira (19) a reabertura dos estádios de futebol para o público. De acordo com o projeto, será permitida a ocupação de 35% da capacidade total dos estádios.

Apenas o deputado estadual Lúdio Cabral (PT) votou contra o projeto.

A propsota é de autoria do primeiro-secretário, deputado Eduardo Botelho (DEM), e foi assinada também pelo presidente da ALMT, o deputado Max Russi (PSB).

Para que ela comece a valer, é preciso que o governador Mauro Mendes (DEM) a sancione.

Como vai funcionar?

De acordo com o projeto, além do limite de público, os torcedores terão que apresentar atestado de vacinação – será preciso ter tomado as duas doses da vacina – ou um teste RT-PCR negativo para covid-19.

No caso do teste, só serão aceitos aqueles realizados em até 48 horas antes da partida.

Outras medidas de biossegurança terão que ser determinadas pelas direções dos times que estiverem em campo e a administração do próprio estádio onde ocorrerá a partida.

Receita para os clubes

Ao defender a proposta de lei, Eduardo Botelho disse que a ideia é garantir um mínimo de receita para os times de futebol que atuam em Mato Grosso.

Desde o fechamento dos estádios, em março de 2020, os clubes deixaram de comercializar ingressos, camarotes e cadeiras cativas, além de alimentos e bebidas em dia de jogos.

Ainda segundo o deputado, se o texto for sancionado pelo governador, a lei deve ser apresentada como uma proposta para a Confederação Brasileira de Futebol, a CBF.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior15ª edição do Circuito Aprosoja começa dia 02 de agosto
Próximo artigoConcurso da Câmara: concorrência chega a 2 mil candidatos por vaga