Deputados condicionam aprovação de projeto do governo a fim da greve de professores

Servidores da Educação permanecem acampados, à espera da nova negociação com o Governo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Deputados que defendem o fim da greve dos profissionais da educação conseguiram na sessão desta quinta-feira (25) condicionar a análise do projeto de lei complementar 53/2019 a uma reunião com o governador. Eles vão apresentar uma proposta que poderá colocar fim à greve dos professores que já dura 60 dias. 

Nesta quinta, o projeto de restituição dos incentivos fiscais foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR).

Os deputados reclamaram durante a sessão que receberam o substitutivo apenas pelo Whatsapp e que o mesmo não constava no sistema intranet e muito menos, o documento teria sido impresso e repassado aos gabinetes, como combinado anteriormente.

A reunião da CCJR aconteceu nas dependências da presidência da ALMT. Os deputados debateram o projeto e as alterações necessárias, a portas fechadas. 

Greve dos professores 

A greve dos profissionais da educação começou em 27 de maio, Os servidores foram atendidos pelo governo, em parte das reivindicações. Mas não conseguiram uma proposta para o pagamento de 7,69% de aumento, previsto na lei complementar 510/2013. 

Os professores estão acampados na Assembleia Legislativa pedindo justamente, que a análise da mensagem do governo estivesse condicionada à apresentação de uma proposta para o fim da greve. 

Pedido de vista

Os deputados Ludio Cabral (PT), Wilson Santos (PSDB), Max Russi (PSB), Janaina Riva (MDB), Thiago Silva (MDB), Delegado Claudinei (PSL), Dilmar Dal Bosco (DEM), Xuxu Dal Molin (PSC) e Ulysses Moraes (DC) pediram vista coletiva do substitutivo integral 3. Eles terão 24 horas para analisar o texto. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS