Deputados aprovam projeto que proíbe filmar professores em sala de aula

Proposta foi votada nessa quarta-feira (10) sob forte embate sobre liberdade e polarização política no país

(Foto: JL Siqueira/ALMT)

Deputados estaduais aprovaram um projeto de lei que proíbe que professores sejam filmados em sala de aula. A proposta foi votada nessa quarta-feira (10) sob forte embate ideológico entre parlamentares a favor e contra. 

O projeto foi proposto pelo deputado Valdir Barranco (PT). Segundo ele, o país passa por um momento de polarização política o que tem afetado o trabalho dos professores, que se sentiriam “inseguros” e “constrangidos”. 

Disse ainda que os alunos têm sido “incitados” a filmar professores com ideia diferente e a postar os vídeos em redes sociais. 

“O artigo 206 da Constituição Federal diz que o ensino será ministrado com base nos princípios de igualdade de condições para acesso e permanência na escola; liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber; e pluralismo de ideias e concepções pedagógicas”, disse. 

Em outro viés, o deputado Gilberto Cattani (PSL) disse que a regra a retira a “liberdade dos alunos”. Ele disse que os alunos ficam “sujeitos à opinião política do professor” em sala de aula. 

“Quando se permite ao instrutor que ele coloque a sua opinião pessoal para as nossas crianças, obviamente eles estão sujeitos a essa opinião pessoal e não a transmissão do conhecimento. Quando damos tal liberdade, estamos tirando a liberdade do nosso bem mais precioso que são os nossos filhos”, afirmou. 

Votaram contra o projeto de lei: Gilberto Cattani (PSL), Romoaldo (MDB) e Ulysses (PSL), Thiago Silva (MDB), Delegado Claudinei (PSL), Dr. Gimenez (PV) e João Batista (Pros). 

Em setembro, uma professora foi suspensa da sala de aula, em uma escola particular em Cuiabá, após criticar as políticas do presidente Jair Bolsonaro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMédico é condenado a mais de 40 anos de prisão por morte de noiva grávida e da bebê
Próximo artigoSeguindo Moro, Dallagnol também deve se filiar ao Podemos para disputar eleição