Deputado se antecipa e oferece imóvel de R$ 7 milhões à Justiça

Dilmar Dal Bosco não aguarda pedido de bloqueio de patrimônio e diz que está disposto a contribuir com a Justiça

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre) Líder do governo diz que punição deverá ter período de tolerância

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado estadual Dilmar Dal Bosco (DEM), ofereceu à Justiça um imóvel avaliado em R$ 7,835 milhões como garantia.

A decisão do parlamentar é uma estratégia da defesa que se antecipou e, antes mesmo de qualquer decisão do juízo da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular a respeito do pedido de bloqueio de patrimônio na ordem de R$ 5,173 milhões, se dispôs a contribuir com a Justiça.

O imóvel em questão é uma propriedade rural denominada Fazenda Carlito com área superior a 2 mil hectares localizado no município de Campos de Júlio (602 km de Cuiabá) e registrada no Cartório do 1º Ofício de Registro de Imóveis de Comodoro (638 km de Cuiabá).

Acusado de corrupção

O Ministério Público Estadual (MPE) acusa Dilmar Dal Bosco de receber propina de empresários para dificultar a licitação do transporte intermunicipal que seria feita pelo governo do Estado nos anos de 2015 e 2016.

Por isso, foi denunciado por improbidade administrativa pelo Ministério Público em uma ação civil pública na qual também são alvos o ex-deputado e atual primeiro-suplente Pedro Satélite, e outras pessoas físicas e jurídicas.

As investigações na esfera criminal relacionadas a Operação Rota Final são conduzidas pelo Naco (Núcleo de Ações de Competência Originária) do Ministério Público com autorização do Tribunal de Justiça por envolver autoridades com foro por prerrogativa de função. As investigações estão em segredo de Justiça.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVacinada contra a covid-19, guarda municipal pede para trabalhar de casa
Próximo artigoCPI da Covid vai ouvir governadores de nove Estados