Deputado pede suspensão no concurso da segurança pública

Deputado Faissal Calil afirmou que as falhas na prova realizada no domingo devem ser investigada e certame suspenso

(Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

O deputado estadual Faissal Calil (PV), usou suas redes sociais para afirmar que irá pedir a suspensão do concurso da segurança pública. De acordo com o parlamentar, nessa terça-feira (21), a aplicação da prova teve falhas que precisão ser investigadas.

As provas foram aplicadas no domingo (20) para cargos das Polícias Civil e Militar, Bombeiros e Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec).

De acordo com Faissal, sua equipe recebeu denúncias de pessoas que foram excluídas da biometria, além de casos de má fiscalização durante a aplicação das provas, onde pessoas teriam usado o celulares para obter vantagens ilegais.

“Não podemos permitir que os nossos concurseiros sejam tratados com desrespeito pelo governo de Mato Grosso. Há relatos graves de falta de impressão digital e até mesmo de pessoas usando o celular no momento da prova”, escreveu o parlamentar.

Leia também

Pedido de suspensão

Faissal ainda afirmou que deve protocolar um pedido de suspensão do certame nesta quarta-feira (21). O deputado ainda disse está investigando com sua equipe essas possíveis falhas.

“Estou com minha equipe investigando essas denúncias e nesta quarta-feira (24) irei protocolar um documento pedindo a suspensão desse pleito”, continuou o deputado.

Outros pedidos de suspensão

Na segunda-feira (21), O LIVRE noticiou que a deputada Janaina Riva (MDB) também fez uma solicitação de suspenção da prova ao Governo de Mato Grosso.

A parlamentar afirma que também recebeu denúncias de irregularidades durante a aplicação das provas.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro critica prática de aborto na Colômbia
Próximo artigoPortaria da covid: orientações estabelecem até 20 dias de isolamento e desobrigam o reteste