Depois de receber ameaças, casal de venezuelanos recomeça a vida no Brasil

Uma história inspiradora

A realidade da imigração muitas vezes obriga essas pessoas a realmente começarem do zero mais uma vez. Foi o que aconteceu com o casal de venezuelanos Maria El Warrak e José Joaquin Rodriguez Alvarado que tinham profissões respeitadas em seu país natal. Ela, técnica de informática; ele, engenheiro.

José fazia orçamentos no ramo da construção civil. Até que começou a receber ameaças das empresas para as quais trabalhava, em 2005. Os contratantes faziam cobranças indevidas e, quando José se negou a pagar, passaram a perseguir sua família.

Em 2015, José se cansou do medo constante e se mudou com a família para o Brasil, em busca de segurança. Eles ficaram na casa de uma prima por algum tempo, no Rio de Janeiro. Eles relembram o quão acolhidos se sentiram depois de abandonarem tudo.

Tentando recomeçar, Maria apostou na venda de comida árabe para a família se reerguer. Sabendo que o ofício de cozinheira é bastante diferente do que fazia antes como técnica de informática, Maria não se deixou abater e seguiu em frente.

“Fomos respeitados por todas as pessoas que procuramos para tirar nossas dúvidas. Seja na Cáritas, no SUS, procurando vaga em escolas para os nossos filhos. Ninguém tirou a nossa dignidade ou faltou com respeito. Cumprimos o protocolo de refúgio e já temos nossa carteira de identidade”, afirma.

“O país nos brinda com educação, saúde e proteção. Só temos gratidão ao Brasil e aos brasileiros por terem nos recebido com amor”, completa.

Hoje, a família já está muito integrada ao país. O filho mais novo do casal, hoje com 12 anos de idade, fala português fluentemente com sotaque carioca.

“Como estrangeira, entendo que vocês estão numa situação econômica, social e de segurança muito melhor. Claro, tem brasileiros que falam que o país está ruim, que vão para a Europa, Estados Unidos. Mas acho que o que faz um país são as pessoas desse país. E graças a Deus, vocês têm uma geração jovem que está lutando pelo Brasil”, disse.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBusca por tecnologia cresce entre pessoas acima dos 60 anos
Próximo artigoNão caia nessa! Polícia Civil faz alerta para o “golpe do delivery”