Dentro do agronegócio e faturando pouco: o que fazem as startups “do campo”?

Elas têm mais investimentos que todos os outros setores juntos e atuam no ramo que mais fatura no país, mas seus números não acompanham esse desenvolvimento

O Estado do agronegócio não é o Estado das agtechs, nome que recebem as startups que atuam no setor. Um levantamento da Associação Brasileira de Startups aponta Mato Grosso na sétima posição nacional, abrigando 3,8% das empresas instadas no Brasil.

Ainda é uma posição de destaque, mas bem atrás de outros dois Estados com agronegócio forte: Rio Grande do Sul e Paraná, que estão, respectivamente, na segunda e terceira colocação, atrás somente de São Paulo.

As regiões sudeste e sul, aliás, são as que concentram mais esse tipo de empresas. E o curioso sobre isso é que a maior parte delas, quase 73%, trabalham dentro das porteiras.

O que fazem as agtechs?

O mapeamento da ABStartups identificou que esse tipo de negócio atua em três momentos do agronegócio: antes da porteira (são pouco mais de 10% delas), dentro da porteira (quase 73%) e depois da porteira (17%).

As que estão antes da porteira das fazendas atuam, principalmente, com serviços financeiros (quase 44% delas) e com insumos, como sementes, mudas e fertilizantes (25%).

(Foto: Reprodução/ABStartup)

Quem está dentro das fazendas, trabalha – na maioria das vezes – com gestão de dados agrícolas (41%) e agropecuária de precisão (32,5%). Mas também há quem atue com maquinário, com metodologias e irrigação, com gestão de resíduos, entre outras atividades.

(Foto: Reprodução/ABStartup)

Já as que estão depois da porteira têm como principal negócio a venda dos produtos. Mais de 55% das startups dessa fase oferecem plataformas de negociação do que é produzido.

(Foto: Reprodução/ABStartup)

Faturamento e geração de emprego

Felipe Matos, presidente da ABStartups, afirma que as agtechs são o terceiro tipo mais comum de startup no Brasil. Ficam atrás somente das que atuam nos setores de educação e de bem-estar.

E apesar de estarem na terceira colocação, são as que mais recebem investimentos: quase o dobro da média geral de todos os outros setores.

LEIA TAMBÉM

Mas isso parece ainda não refletir resultados tão positivos. O levantamento da associação aponta também que quase 22% das startups ligadas ao agronegócio ainda não têm faturamento.

E embora o agro movimente mais de 20% do PIB brasileiro (dados de 2019), a maior parte dessas empresas (pouco menos de 18% delas) têm faturamento médio de R$ 50 mil a R$ 250 mil por ano.

As que chegam a R$ 1 milhão somam 9,6% e as que passam dos R$ 5 milhões são 3,2%.

(Foto: Reprodução/ABStartup)

Os dados sobre a geração de empregos são semelhantes e há uma explicação para isso. Uma das principais características das startups é conseguir lucrar muito gastando pouco. Não é coincidência, portanto, que mais de 55% delas tenham apenas entre 1 e 5 colaboradores

Só 1,3% delas têm entre 40 e 100 funcionários. Percentual igual ao das que passam de 100 empregados.

(Foto: Reprodução/ABStartup)

A ABStartup contabilizou 299 empresas do tipo no Brasil e a maior parte delas (20,4%) têm mais de 5 anos de existência. Outras 19,7% nasceram há pouco mais um ano.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCansada das saídas do filho durante a pandemia, mãe manda raspar seu cabelo para mantê-lo em casa
Próximo artigoConfederação diz que 53% das cidades concordariam com lockdown nacional