Dengue já infectou mais de 26 mil e matou 13 em Mato Grosso neste ano

Números divulgados pela Secretaria de Saúde mostram quadro bem mais alarmante que o contágio da covid-19, com vários municípios em alerta

(Foto: Arquivo/EBC)

A incidência da dengue voltou a um nível alarmante em Mato Grosso, com mais de 25 mil casos registrados em apenas quatro meses.

Dados divulgados nesta sexta-feira (24) pela Secretaria de Saúde apontam o registro de 26.500 casos de janeiro a esta semana de abril. Treze pessoas morreram. 

O volume atingiu a proporção de 300 ocorrências para cada 100 mil habitantes. A média estadual de 2019, de janeiro a dezembro, foi de 205 casos por 100 mil.

Os dados são bem mais graves que o atual quadro da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, que está abaixo de um caso para cada 100 mil habitantes. E oito pacientes morreram nos 34 dias do histórico do contágio.   

O número de municípios com o registro da dengue também é maior em relação ao da covid-19. Conforme a SES, 81 dos 141 municípios têm casos da dengue, enquanto os pacientes do coronavírus estão em 29. 

Os municípios com maior registro são: Sinop com 6.319 casos e três óbitos confirmados e um óbito em investigação; Rondonópolis com 1.162 casos e um óbito; Cuiabá com 375 casos e Várzea Grande com 232 casos.  

Chikungunya 

Várzea Grande também registrou 28 casos de chikungunya e um óbito pela doença. 

De acordo com o boletim epidemiológico, 540 casos da doença foram registrados neste ano, enquanto que em 2019 foram notificadas 420.  

Três municípios estão em situação de alerta: Várzea Grande (28), Cuiabá (25) e Sinop (12). 

“A dengue não é mais uma doença sazonal para Mato Grosso e sim epidêmica. Com isso, há alto risco para esses agravos, o que coloca os gestores municipais em estado de alerta, sendo importante intensificar as ações preventivas de combate ao mosquito transmissor”, disse a superintendente de Vigilância em Saúde do Estado, Tatiana Helena Belmonte. 

Segundo a superintendente, os municípios com óbitos têm plano de contingência para dengue, chikungunya e zikaEles têm no quadro da rede pública de saúde profissionais que receberam capacitação para classificação de risco. 

A superintendente ainda reforça que os municípios que estão em alto risco para dengue, mesmo em meio à pandemia da covid-19, devem ter a atenção organizada para atender os casos de dengue. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro diz que Moro era um ídolo para ele, mas que o ex-ministro se colocou acima do Brasil
Próximo artigoHomem é preso após ser flagrado abusando sexualmente de menino de cinco anos