DEM decidirá sobre quem disputará prefeitura de Cuiabá após Botelho se recuperar

Fábio Garcia, Eduardo Botelho e Marcelo Bussiki são os principais nomes cotados para disputar o comando do Palácio Alencastro, em Cuiabá

Foto:(Ednilson Aguiar/ O Livre)

Com o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado Eduardo Botelho (DEM) internado por conta da covid-19, as lideranças do partido decidiram postergar o início da discussão política em torno das eleições municipais deste ano, que estão programadas para 15 de novembro.

O presidente regional do DEM, o suplente de senador Fábio Garcia, explica ao LIVRE que a reunião para tratar sobre o assunto será realizada assim que Botelho restabelecer a saúde.

“Botelho é um nome importante para o partido, e só queremos tomar essa decisão tendo ele na mesa para conversar”, explica Garcia.

Fábio Gárcia, presidente regional do DEM-MT e cotado para concorrer como prefeito de Cuiabá (Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

O suplente de senador, assim como Botelho, são os principais nomes – junto ao do vereador Marcelo Bussiki, para concorrer ao cargo de prefeito da Capital.

Garcia afirma que desde o início da pandemia, em março, a eleição municipal deixou de ser sua prioridade, assim como a do partido. “O DEM como um partido sério está preocupado com a saúde da população”.

Já Botelho está internado desde segunda-feira (13), em um hospital particular em São Paulo (SP) – quando constatou que 50% do seu pulmão estava comprometido pela covid-19.

Em vídeo publicado nesta sexta-feira (17) em suas redes sociais, Botelho afirma que está se recuperando e já apareceu mais disposto, sem tossir – um dos sintomas que estava mais evidente no começo da semana.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUsuário de drogas destrói a casa da mãe por ela molhar seu cigarro de maconha
Próximo artigoDefesa Civil de Cuiabá multa empresa em R$ 308 mil por queimada urbana que durou quatro dias