Delação de Alan Malouf: empresários simpatizantes de Taques pagaram R$ 7 milhões de Caixa 2

Delator alega ter pago R$ 2,5 milhões de Caixa 2, quanto aos demais empresários, ele não soube precisar

Um grupo de supostos amigos do governador Pedro Taques (PSDB), chamados na delação do empresário Alan Malouf de “empresários simpatizantes”, teria pago R$ 7 milhões para a campanha do atual mandatário do estado sem declarar – o que é conhecido como “Caixa 2”. Esses valores, segundo o delator, foram usados para quitar os restos a pagar da campanha bem-sucedida ao governo do estado em 2014.

Segundo Malouf, ele e outros cinco amigos – Marcelo Maluf, Juliano Bortoloto, Fernando Minosso, Erivelton Gasques e Júlio Modesto – foram responsáveis pelo pagamento das dívidas de campanha.

Eles teriam tomado conhecimento do valor, de R$ 7 milhões, durante reunião realizada em dezembro de 2014, ocasião na qual Modesto teria detalhado o saldo devedor em uma planilha.

“Modesto participou desta reunião, pois foi ele quem efetivamente coordenou a questão financeira e contábil da campanha, incluindo pagamentos oficiais e os ‘por fora’. Foi Júlio o responsável pela confecção das planilhas”, disse.

Júlio Modesto participou da campanha de Pedro Taques a convite de Malouf, pois, segundo ele, seus investimentos no Rio Grande do Sul não haviam dado certo. “Era ele quem recebia os recursos e efetuava os pagamentos… Inclusive, sabe de mais doações que foram realizadas e que Malouf desconhece, como por exemplo, os casos de doadores do agronegócio”.

O delator afirma que não tinha acesso a estes doadores, que geralmente tratavam com Eraí Maggi, primo do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

Durante a reunião, Taques teria manifestado a preocupação em quitar os débitos de campanha e acordou com os simpatizantes o pagamento dos restos a pagar. Tais valores seriam pagos a título de empréstimo a favor de Pedro Taques, com juros fixados a 1,5% ao mês.

Os pagamentos de Caixa 2, em sua maioria, ocorreram no final da campanha. Malouf acredita que o grupo aportou cerca de R$ 7 milhões por fora na campanha do governador tucano. Os números seriam aproximados.

“Somente Júlio Modesto é que saberá exatamente os recursos que efetivamente entraram na campanha, bem como terá o número de exato de contas que foram pagas e fornecedores”, afirmou. O delator alegou ter pago R$ 2,5 milhões de Caixa 2, quanto aos demais empresários, os valores aportados seriam os da planilha abaixo, “podendo existir valores que não se encontram na planilha e não é de conhecimento do peticionante”, disse.

Planilha contida na delação com as supostas doações de cada empresário

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. E a venda do cargo de Vice Governador ao Carlos Favaro feita ao setor do Agronegocio cuja arrecardacao foi comandada pelo Erai Maggi….entrou aonde ? Sera que e’ esses mais 8 milhoes com o nome do PIVETTA.? Ha fatos ainda a ser esclarecido, como aquele famoso processo do inicio do Governo chamado “Bom Pagador” que arrecadou milhoes e milhoes de reais.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPedro Taques e Silval conversaram sozinhos em churrasqueira, diz Malouf
Próximo artigoMAUAL encerra 17ª edição com mostra informativa, premiações e festa no Metade Cheio