Decreto autoriza governo a não pagar fornecedores que não forem urgentes

Serão priorizados contratos como de fornecimento de alimentação para policiais e presos, combustíveis e locação de viaturas

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O decreto de contenção de gastos baixado em conjunto com o decreto de calamidade financeira a ser votado pela Assembleia Legislativa, autoriza o Governo de Mato Grosso a “furar a fila” do pagamento das dívidas com fornecedores e inscritas em restos a pagar – e priorizar despesas consideradas mais urgentes.

De acordo com o documento, que estabelece diretrizes para controle, reavaliação e contenção de todas as despesas públicas do Executivo Estadual, na quitação das obrigações do Estado serão priorizados os contratos continuados vigentes que forem relacionados a serviços públicos essenciais.

Os critérios de prioridade, no entanto, só passam a ser considerados após efetuadas todas as transferências constitucionais e legais para os municípios e o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o repasse dos duodécimos aos Poderes, dos precatórios, das obrigações tributárias e previdenciárias, do pagamento da dívida pública, das tarifas de serviços públicos, bem como do pagamento da folha de pessoal e dos serviços de mão de obra terceirizada.

Depois disso, em primeiro lugar na fila está o custeio das atividades essenciais à segurança, saúde, educação e assistência social, especialmente as despesas com a alimentação de policiais de dos presos, com combustíveis e locação de veículos como viaturas. Na sequência, as prioridades serão definidas pelas unidades orçamentárias.

O decreto também suspende, temporariamente, a celebração de novos contratos, a aquisição e locação de novos imóveis e veículos, o pagamento de horas extras, a tramitação de processos de revisão de planos de cargos, carreiras e salários, a disponibilização de servidores para outros órgãos, a abertura de novos concursos públicos, dentre outros, mas sempre observando as exceções em casos de serviços essenciais.

No documento, o governador Mauro Mendes (DEM) ainda determina a adoção de uma série de medidas às entidades e órgãos para contenção de gastos e estabelece metas para cumprimento. Entre elas, está a redução de até três mil cargos comissionados e contratos temporários, assim como do consumo de água, energia elétrica, limpeza e telefonia, levando em comparação aos últimos 12 meses a contar da publicação do decreto.

Clique aqui e leia o decreto na íntegra

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVenezuela tem situação emergencial em violações de direitos, diz ONG
Próximo artigoNovo presidente do ICMBio diz que primará por eficiência