Decoração natalina do Shopping Estação tem balanço para cadeirante

Decoração temática inspirada pelo personagem Mickey tem mais atrativos para as crianças

Como uma opção de lazer a seus visitantes, os shoppings da capital investem bastante na decoração natalina. No Shopping Estação Cuiabá, por exemplo, Mickey e seus amigos estão em todos os cantos, mas uma novidade que tem chamado a atenção é o balanço para cadeirante.

A iniciativa visa promover inclusão social. Segundo o gerente de marketing do shopping, Rodrigo Souza, a decoração foi pensada todos.

“A inclusão é uma das diretrizes dos shoppings brMalls, para atender, agradar e incluir a todos na nossa programação preparada para encantar os visitantes do shopping, que poderão se divertir nas brincadeiras e atrações de Natal, inspiradas no mundo mágico da Disney”, comenta.

O evento licenciado original Disney Company conta ainda com várias atividades temáticas pensadas especialmente para as crianças, como a fábrica do Donald, para os pequenos. É uma brincadeira interativa entre as crianças para ver quem consegue colocar mais bolinhas na fábrica e um gira-gira.

Reforçando o posicionamento pet friendly, o Trono Pet está de volta e incorporado à decoração natalina do shopping, em um espaço criado especialmente para os pets tirarem fotos com o Noel.

Até o dia 15 de dezembro o bom velhinho estará recebendo a criançada no shopping de segunda à sexta, das 14h às 21h; aos sábados das 12h às 21h; e aos domingos das 12h às 20h. Já de 16 a 23 ele passa a atender em horário diferenciado: de segunda a sábado, das 10h às 22h e aos domingos, das 12h às 20h. Na terça-feira (24), véspera de Natal, o atendimento será das 12h às 18h.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorColorida e adornada por asas e corações, igreja na Guia é entregue a comunidade
Próximo artigoPecuaristas de MT pedem isonomia na lei que rege a atividade no Pantanal