De volta à terra natal, Helio Flanders revela influências literárias em show intimista

O cantor e compositor da banda Vanguart mescla canções autorais e poemas de Walt Whitman nesta terça-feira (23)

Em um show literário e musical, o cuiabano Helio Flanders “assume” a voz do poeta norte-americano Walt Whitman, compartilhando com o público de sua terra natal, influencias literárias mais íntimas. É que, à ocasião, o cantor e compositor também celebra escritores conterrâneos; para ele, amigos de longa data, referências e revelações, que constroem um momento fértil para a literatura mato-grossense.

Depois de passar por Recife (PE), Porto Alegre (RS) e Belo Horizonte (MG), o show “Helio Flanders & As Folhas de Relva” chega a Cuiabá nesta terça-feira (23), abrindo a programação da Semana de Leitura e Literatura do Sesc. A apresentação solo do vocalista da banda Vanguart será às 20h, com entrada gratuita, no Teatro do Sesc Arsenal.

“Me apresento à minha cidade, com a qual tenho um vínculo poético forte, em um momento muito oportuno e feliz para a literatura de Mato Grosso, que carrega uma herança riquíssima de Manoel de Barros, Ricardo Guilherme Dicke, Silva Freire, Antônio Sodré, Eduardo Ferreira… E agora, a gente vê o nascimento de lindas obras, como as de Danilo Fochessato, Júlio Custódio, Lorenzo Falcão, Rodrigo Meloni e Jade Rainho”, cita o músico.

O show também marca o lançamento oficial de quatro obras do coletivo Arcada Selo Editorial Independente, a partir das 19h, com a presença dos escritores. “Um coletivo de editores e poetas que eu sou muito fã e me influenciaram muito”, ressalta Helio Flanders, que também se prepara para lançar, em breve, seu primeiro livro.

Repertório

A apresentação mistura trabalhos autorais, releituras e muita poesia. No repertório, canções como “Romeo” e “Forasteiro”, parcerias com o músico Thiago Pethit, e “Dentro Do Tempo Que Eu Sou” – todas do projeto solo Uma Temporada Fora de Mim (2015). Hélio Flanders também instiga a memória dos cuiabanos com sucessos da Vanguart, como “Quando Eu Cheguei Na Cidade”.

“São canções que se unem à poética do Whitman, um poeta que estudo e traduzo há vários anos, de forma que as coisas se tornam uma só. A escrita dele me influenciou desde que li pela primeira vez há mais de 10 anos. Costumo dizer que ele é o ‘meu’ poeta”, explica o músico.

Considerado o pai do verso livre, Walt Whitman foi um poeta, ensaísta e jornalista norte-americano do século 19, “batizado” por Paulo Leminski como o grande poeta da Revolução americana. Sua obra Folhas de Relva, que dá nome ao show de Hélio Flanders, é considerada um marco na literatura universal, especialmente para a poesia.

“O Whitman tem uma ‘voz’. Acho que o poeta, quando é assim, ele te dá uma voz própria também. As vezes nem sei direito se a voz que sai de mim é a minha ou a dele. Acho que isso tudo se mescla de um modo muito bonito e cheio de propósito para mim”, finaliza Flanders.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuarteto Fantástico deve entrar no Universo Cinematográfico da Marvel antes dos X-Men
Próximo artigo“Em ciência, a gente só combate mitos com verdades”, responde ministro a grupos antivacinas