De sapatos, de botas ou de pés na lama

"É preciso descalçar botas e sapatos, calçar as sandálias da humildade ou pôr os pés no chão e a mão na consciência", diz trecho de artigo de nosso colunista. Confira na íntegra!

Reprodução/recorte/Agência Brasil

“Cadê as botas, Pezão?”, perguntou Dilma, literalmente na lama e calçando botas. “Não tem bota do meu número”, disse ele, também na lama, calçando sapatos 48. “Na Petrobrás tem”, disse ela.

Era fevereiro de 2011 e o diálogo deu-se em Nova Friburgo, na região serrana do Rio, quando morreram 916 pessoas e desapareceram 345.

Na verdade foram 1.261 mortos, pelo menos, pois desaparecido é um eufemismo que as autoridades usam para designar mortos ainda não encontrados e assim diminuir o número e esconder um pouco os mesmos sempiternos descuidos nas catástrofes que se repetem sempre, como previsto, visto, conferido, registrado e repetido sempre. Às vezes, não muda sequer o lugar onde ocorreu a anterior, chamem-se Mariana, Brumadinho, Rio de Janeiro ou identificados por qualquer outro nome.

No dia seguinte à conversa na lama, o então governador recebeu dois pares de botas número 48. Era um presente da Petrobrás. A empresa cumpria ordem da então presidente da República.

Mas algumas mudanças houve, passados oito anos! A presidente que deu as botas foi desbotada, o governador que as recebeu está preso, e presos estão também Lula e Sérgio Cabral,  respectivamente padrinho de uma e de outro.

Outros personagens referenciais daqueles anos estão amarrados a tornozeleiras eletrônicas nas canelas, como se os adereços fossem canos de botas.

Nos palácios, onde outrora, por práticas semelhantes às de tratar a coisa pública como se privada fosse, estavam canteiros de flores vermelhas em formato de estrela, a cor agora é outra.

Não brilham mais as estrelas dos partidos que os levaram ao poder por meio de coligações combinadas no “breu das tocas”, segundo a “fantasia dos infelizes” para “o que não tem vergonha nem nunca terá”, segundo as belas figuras de linguagem da canção O que será, sucesso do cantor e compositor Chico Buarque.

Os crucificados de Sexta-Feira Santa, no Monte da Caveira, o Monte Calvário, estavam descalços, detalhe jamais esquecido por nenhum pintor. Calçados estavam o centurião romano e os soldados. Calçavam coturnos ou sandálias.

Seguiu-se o Sábado de Aleluia, quando o Céu foi inaugurado por um ladrão. “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso”, diz Jesus a Dimas, o bom ladrão, enquanto Gestas, o mau ladrão, continua a praguejar, rumo a seu destino, sem reconhecer o Salvador.

Que tenhamos tido bons ladrões, reconheceu ninguém menos do que o prodigioso Padre Antônio Vieira, imperador da língua portuguesa, título que lhe foi concedido por Fernando Pessoa, pois grandes reconhecem outros grandes. E medíocres preferem cercar-se de seus semelhantes, afastando-se dos que poderiam salvá-los em hora adversa.

Hoje são vistos como bons ladrões os delatores que, arrependidos, denunciaram seus chefes ou cúmplices. Os maus ladrões são os que perseveraram no erro, pois isto é coisa diabólica.

Mas a vida impõe uma condição. É preciso descalçar botas e sapatos, calçar as sandálias da humildade ou pôr os pés no chão e a mão na consciência.

Tocar a terra com os pés, elevar os olhos, bater a palma da mão na fronte para perguntar onde estava com a cabeça, eis gestos cuja origem se perde na memória do tempo.

Por soberba, em vez disso, todos os dias o que mais vemos é o seguinte: apesar da abundância de provas, condenados proclamam sua inocência e o fazem por meio de defensores regiamente pagos para ajudá-los a continuar de botas em outras lamas.

Fazem isso calçados de sapatos de grife! Resistem a calçar as sandálias da humildade ou pôr os pés no chão.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFlamengo manterá salários das vítimas do incêndio
Próximo artigoHomens são acusados de vender 3,8 mil tickets roubados da rodoviária de Cuiabá