De olho no eleitor de esquerda, Wellington quer Lúdio de vice

    Pré-candidato a governador tem somente o senador José Medeiros confirmado em sua chapa

    (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

    O senador e pré-candidato a governador Wellington Fagundes (PR) trabalha para ter o ex-vereador Lúdio Cabral (PT) como candidato a vice-governador em sua chapa. O objetivo dea aliança é captar o voto do eleitorado de esquerda e agregar o recall eleitoral de duas eleições majoritárias em que o petista ficou em segundo lugar.

    “Lúdio foi um candidato robusto nas eleições que disputou e tem nome forte em Mato Grosso. Tem se falando muito no nome dele para ser candidato a vice-governador”, disse o senador José Medeiros (PODE). Pré-candidato à reeleição, atualmente, Medeiros é um dos pré-candidatos ao Senado na chapa majoritária de Wellington.

    O petista, porém, descartou a possibilidade, em entrevista ao LIVRE. “Não existe a possibilidade de eu compor chapa como vice-governador. Eu sou candidato a deputado estadual. Essa foi uma decisão coletiva do PT, para ampliar a participação do partido na Assembleia Legislativa”, disse. Cotado ainda para ser candidato a senador e deputado federal, Lúdio descartou também essas opções.

    Além disso, Lúdio defende que o partido construa uma chapa de esquerda, tendo a professora Edna Sampaio (PT) como candidata a governadora. “Eu defendo uma aliança de esquerda, mas há outro grupo no PT que quer uma aliança de centro, tendo Wellington como candidato a governador. Defendo uma coligação com partidos como PSOL e PC do B”, disse.

    Alguns aliados de Wellington defendem que ele forme uma chapa no “campo popular”, com partidos mais à esquerda, para contrapor as candidaturas do governador Pedro Taques (PSDB) e do ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes (DEM), que estão mais alinhadas com a direita.

    Lúdio foi candidato a prefeito da capital em 2012, quando chegou ao segundo turno. Naquele ano, Mauro Mendes acabou eleito. Nas eleições de 2014, ele disputou o governo estadual e teve 472 mil votos, mas acabou derrotado por Taques.

    Nomes para chapa

    Outra opção de vice avaliada pelo grupo de Wellington é a ex-reitora Maria Lúcia Cavalli (PC do B), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Ela se lançou como pré-candidata a senadora. A empresária Margareth Buzetti (PP) também se colocou como pré-candidata ao Senado.

    O deputado federal Adilton Sachetti (PRB), que nesta quinta-feira (26) rompeu com a aliança de Mauro Mendes, pode se juntar ao grupo de Wellington como candidato ao Senado. Sem espaço para disputar o Senado na chapa do DEM, ele agora negocia com o PR.

     

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorTuristas aproveitam período de seca no Pantanal para conhecer diversidade da fauna
    Próximo artigoSelma Arruda diz que seus eleitores não precisam votar nos candidatos aliados a ela

    O LIVRE ADS