Curta sobre desastre ambiental em Mariana é premiado pela ONU

Filme foi feito com realidade virtual, tecnologia que dá às pessoas a sensação de estar dentro da situação

O documentário Rio de Lama, do cineasta brasileiro Tadeu Jungle, foi o vencedor do Festival de Filmes ODSs em Ação. O curta-metragem concorreu na categoria de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em realidade virtual/360 graus.

O anúncio foi feito na terça-feira (9), no primeiro dia do Fórum Politico de Alto Nível da Organização das Nações Unidas, e o prêmio será entregue nesta quinta-feira (11), em Nova York.

Segundo a ONU News, agência oficial de notícias das Nações Unidas, mais de mil filmes foram inscritos no festival, com aumento de mais de 40% em relação ao número de concorrentes no ano passado. De acordo com a agência, o festival oferece aos cineastas amadores e profissionais a chance de enviar os curtas em até 20 minutos.

O documentário de Tadeu Jungle é sobre o desastre ambiental ocorrido em Mariana em Minas Gerais, em 2015, com a destruição do distrito de Bento Rodrigues após o rompimento de uma barragem das empresas Vale e Billington, controladoras da mineradora Samarco. Com 9 minutos de duração, o filme foi feito com realidade virtual, tecnologia que dá às pessoas a sensação de estar dentro da situação, explicou Jungle.

O curta destaca esforços dos moradores da área devastada na busca de soluções para problemas gerados pela tragédia ambiental.

Em entrevista à ONU News, Jungle ressaltou a importância do prêmio para o Brasil, dizendo que vai fortalecer uma série de princípios que se está está tentando estabelecer no país.

Segundo o cineasta, Rio de Lama é um filme transformador e fala de saudade “Entrevistei os moradores no calor da situação, sem roteiro, sem script. [O filme foi] feito pela emoção”. Jungle destacou também a importância do prêmio em termos de meio ambiente, por ‘’ajudar a fortalecer a causa não só das barragens, como também do meio ambiente, e por todas as lutas que estão sendo feitas no Brasil’’. Ele citou a luta pela demarcação das terras indígenas e a questão do extrativismo e da mineração ilegal na Amazônia.

“Esse filme vai nos ajudar. Vai ser noticiado, e a gente vai falar mais sobre isso, como a gente está falando aqui e agora”, acrescentou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça mantém condenação aos Correios por morte de funcionário
Próximo artigoAssistência técnica do Senar muda realidade dos produtores de leite em MT

O LIVRE ADS