Cultura negra é reverenciada em espetáculo do grupo de siriri Flor do Campo

Espetáculo reverencia ícones da cultura afro, como Tereza de Benguela , mãe Bonifácia e São Benedito

Campeão da edição 2019 do 13º Festival de Siriri de Cuiabá, o grupo Flor do Campo apresenta o espetáculo Negritude, no dia 9 de agosto, no Cine Teatro Cuiabá. A apresentação será às 20h30 e os ingressos custam R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia). Quem leva 1 litro de leite paga o valor do ingresso solidário: R$ 20,00.

De acordo com o diretor do espetáculo, Flávio Ferreira, ele já desde o momento em que o público pisa na calçada do Cine de Teatro e “é transportado para um universo  que envolve cultura, religiosidade, orgulho”. Assim, o público é convidado a uma reflexão sobre o negro na nossa sociedade, explica.

Tereza de Benguela , mãe Bonifácia, São Benedito, São Sebastião , capoeira, maculelê, Missa dos Quilombos, lavagem das escadarias do Rosário, as Baianas e tantos outros ícones da cultura afro-brasileira se farão presentes nesse espetáculo, que conta ainda com a participação do Cia de Teatro Cena Onze, Grupo de Capoeira Porto da Barra, Grupo das Religiões de Matriz Africana e Comunidade Quilombola de Mata Cavalo.

O grupo foi fundado em 1982 e oficializado em 1986 pelo ‘seu’ Locádio, pai da dona Matilde da Silva, atual diretora. “Manter o grupo não é tão simples, mas é preciso educação e o sorriso no rosto sempre, porque o objetivo é mostrar a dança, a cultura, a raiz cuiabana e não deixar essa belíssima tradição morrer”, ressalta.

O espetáculo Negritude tem a participação de  Edmilson Maciel, que assina a produção com Flávio Ferreira, Flávia Taques, José Augusto Barbosa e Carlos Jerônimo.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSintap critica condições de trabalho em posto do Indea no Distrito Industrial
Próximo artigoSem foro, ex-deputados passam a ser julgados na primeira instância

O LIVRE ADS