Cuiabana faz vaquinha para estudar Cinema no exterior

Escola cubana é uma das melhores do planeta; apenas cinco alunos são aprovados em cada especialidade

A cientista social cuiabana e produtora de cinema Giulia Medeiros, a Caju, quer realizar o sonho de estudar cinema em Cuba e está fazendo uma vaquinha pela internet, cujo prazo está acabando! Você pode ajudar com qualquer quantia pelo site https://benfeitoria.com/demalaecuiapracuba.

Giulia foi aprovada no processo seletivo da Escola Internacional de Cinema e TV (EICTV) de San Antonio de los Baños, em Cuba, reconhecidamente uma das melhores escolas de Cinema do planeta, com uma proposta de ensino por imersão.

A seleção é muito concorrida, aprova apenas cinco alunos de todo o mundo para cada uma das especialidades que a escola oferece: Direção, Roteiro, Produção, Fotografia, Montagem, Som e Novas Mídias.

Caju já venceu as etapas de mudança de vida e do direito de levar a filha e o marido junto nessa experiência, agora, falta o dinheiro, já que o curso não é gratuito.

“O governo cubano subsidia 75% dos custos com moradia, seguro saúde e atividades acadêmicas, sendo que os alunos devem integralizar os outros 25%”, ela explica. A porcentagem corresponde a 6 mil euros por ano (quase R$ 39 mil), que podem ser pagos em duas parcelas.

No site de vaquinha virtual, Caju está solicitando R$ 30 mil, necessários para a matrícula (primeira parcela de mais de R$ 19 mil) e despesas de transporte e documentação.

Cursar cinema em Cuba é a coroação da trajetória de Giulia que, desde os 11 anos de idade, se identificou como produtora cultural. Hoje, aos 29 anos, é também pesquisadora da Programa de Pós-graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT (ECCO), videomaker, reconhecida ativista de movimentos sociais e se orgulha de ser mulher, mãe e feminista – reconhecendo todos os desafios sociais desses papéis.

Citando Aline Figueiredo, que certa vez registrou que “arte aqui é mato”, sobre a fecundidade produtiva em Mato Grosso, Caju destacou que o Cinema mato-grossense é fruto de “um lugar com suas características antropológicas, geográficas e climáticas favoráveis ao processo produtivo”, que abriga “cerca de 45 etnias indígenas e 78 comunidades remanescentes de quilombos”, demonstrando sua riqueza cultural, mas que “ainda não conseguiu se consolidar como um centro produtor em nível nacional”.

Quem quiser contribuir com o sonho de Giulia Medeiros pode doar qualquer valor acima de R$ 1. Na plataforma Benfeitoria há alguns valores propostos, com recompensas como aula on-line, livro de pesquisadora cuiabana e ilustrações.

Até o fim desta notícia, Caju já havia arrecadado quase R$ 5 mil. O prazo da vaquinha virtual se encerra em 10 dias. Além do link https://benfeitoria.com/demalaecuiapracuba, é possível doar diretamente para a solicitante, por meio do PIX 043.655.131-41, que a isenta das taxas do site Benfeitoria.

Mais informações, diretamente com a pesquisadora Giulia Medeiros: (65) 99665-0037.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorArticulados por Botelho, deputados devem acabar com a reeleição na ALMT
Próximo artigoMinistro dá sinal para ferrovias