Cuiabá: segundo trimestre soma mais de R$ 1 bi em negociações imobiliárias

Mais de 2,9 mil unidades foram comercializadas neste período

Imagem Ilustrativa (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A exemplo do primeiro trimestre deste ano, os três últimos meses registraram recorde em valores transacionados no mercado imobiliário em Cuiabá. A marca atingida foi de R$ 1,08 bilhão.

O resultado é 66,7% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram negociados pouco mais de R$ 650 milhões, segundo Indicadores do Mercado Imobiliário, elaborado pelo Sindicato da Habitação de Mato Grosso (Secovi-MT).

Vice-presidente administrativo do Secovi-MT, Guido Grando Júnior explica que os números reforçam de forma expressiva a tendência de alta já observada no trimestre anterior.

“Continua refletindo a oportunidade que o mercado imobiliário representa para investimentos. E, embora tenha ocorrido algumas elevações da taxa Selic, a taxa de juros ainda é baixa, se comparado a anos anteriores, o que tira a atratividade de investimentos financeiros de renda fixa”, ele afirma.

O valor financiado em imóveis saltou 36,7% no comparativo com o segundo trimestre de 2020, totalizando R$ 240,5 milhões. Também houve aumento no número de imóveis comercializados, totalizando 2.910 unidades.

No trimestre anterior haviam sido 2.782 e no segundo trimestre do ano passado, 1.991.

A pesquisa ainda mostra que o maior número de imóveis comercializados é usado. Foram  2.563, contra 347 novos. As regiões mais procuradas da Capital são a Leste e a Oeste, consideradas áreas residenciais.

Guido Grando Júnior afirma que são regiões em expansão urbanas, onde se concentram empreendimentos residenciais horizontais. “A procura por imóveis assim aumentou em razão da pandemia, já que as famílias que vivenciaram lockdowns entenderam precisar de espaços maiores e mais conforto nas suas moradias”.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVolta às aulas: Cuiabá deve ser a última capital a retomar atividades na rede municipal
Próximo artigoJuízes de MT cobram reajuste do auxílio-alimentação