Cuiabá: prefeitura traça perfil das pessoas em situação de rua

Pesquisa descobriu que há um número menor que em 2019. Dados vão embasar decisão dos gestores e técnicos

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

As pessoas que vivem em situação de rua em Cuiabá são, em sua maioria, homens, solteiros e com idade entre 18 e 40 anos. O perfil foi traçado pela Prefeitura na segunda quinzena de julho.

Os dados são do projeto “Quero te Conhecer – Pop Rua”, que entrevistou 292 pessoas. Desse total, 196 estavam abrigados em unidades de acolhimento.

No período analisado, foram identificadas 96 pessoas que estavam em situação de rua. O número, segundo a Prefeitura, caiu se comparado com 2019, quando o levantamento identificou 212 pessoas.

A maior incidência foi registrada na Praça Luiz de Albuquerque, no bairro Porto; nas proximidades da Rodoviária de Cuiabá e na região central, imediações do Morro da Luz.

Perfil dos entrevistados

Entre os entrevistados, o resultado do levantamento apontou predominância do gênero masculino. Eles são 82% das pessoas em situação de rua. As mulheres somam 26 mulheres, sendo 11 em unidades de acolhimento e 15 em situação de rua.

Prevalece nessa população a faixa etária de 18 a 40 anos, somando 149 pessoas. A maioria, é solteira, perfazendo o percentual de 86%.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Na totalidade, os pesquisados informaram fazer uso de substâncias psicoativas há muito tempo.

Segundo a Prefeitura, os resultados da pesquisa serão empregados para instrumentalizar técnicos e gestores na realização de intervenções. A ideia é “sanar fatores que levam pessoas a recorrer às ruas como meio de sobrevivência”.

Acolhimento

Cuiabá conta hoje com três albergues municipais (Guia, Porto e Manoel Miraglia), além do Hotel Albergue, instalado durante o enfrentamento a pandemia do coronavírus. Criado em abril do ano passado, o hotel disponibiliza de 80 a 120 acolhimentos diários.

Com a unidade, a capacidade de acolhimento no município aumentou de 150 para 240 vagas. Nos albergues, são disponibilizadas 150 vagas diariamente.

“Com isso, é possível assegurar a garantia dos direitos sociais, além da oferta de um ambiente higienizado e seguro, reduzindo significativamente a quantidade desta população nas ruas”, afirma a secretária municipal de Assistência Social, Hellen Ferreira.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrevidência: ALMT deve criar duas faixas de cobrança para servidores públicos
Próximo artigoDescubra uma ferramenta para criar apresentações pouco conhecida no mercado