Cuiabá descarta segunda infecção de covid-19 em médico de UPA

Profissional teve sintomas brandos em abril e, após melhora clínica, apresentou quadro mais intenso

Imagem ilustrativa (Foto: Freepik)

A suspeita de reinfecção de covid-19 em um médico da rede pública de Cuiabá foi descartada pela prefeitura. Em abril, o paciente havia apresentado sintomas brandos e, após melhora clínica, voltou a manifestar sinais da doença.

Segundo a prefeitura, o médico teve contato com pacientes que testaram positivo para a doença e manifestou dor de garganta. À época, o exame confirmou o contágio.

O profissional cumpriu isolamento social e apresentou melhora clínica. Pouco tempo depois, entretanto, ele voltou a manifestar sintomas de maneira mais expressiva. Entre eles, dor no tórax e coriza.

“Isso é recrudescência da doença, não nova infecção”, alerta a Secretaria Municipal de Saúde. Recrudescência é o reaparecimento mais intenso dos sintomas de uma doença, após uma interrupção temporária.

Ainda segundo a prefeitura, depois de apresentar melhoras o paciente não teve teste negativo emitido.

“Tal evento provavelmente se dá pela tentativa do sistema imunológico conter a doença nessa etapa inicial e por algum motivo não foi alcançado e houve novamente expressão da doença, verificando a progressão dos sintomas”, diz explica a prefeitura.

‘Falso positivo’, diz a OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estuda possíveis casos de reinfecção.

Segundo Maria Van Kerkhove, líder técnica no combate ao coronavírus, a análise de casos de suposta reinfecção na Coreia do Sul mostrou que na verdade eram células mortas do pulmão com o material genético do vírus, já inativo, que causavam o resultado de “falso positivo” nos testes em pessoas que tinham se curado.

Mesmo com os testes negativos na Coreia do Sul, a OMS não descarta novas ondas de infecção.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorToma lá, dá cá
Próximo artigoMPF investiga dívida de senador Carlos Fávaro com gráfica e suspeita de caixa 2

O LIVRE ADS