Crise? Que crise? Bilionários ficaram ainda mais ricos com a pandemia, aponta estudo

O lucro que eles tiveram só na América Latina equivale a um terço do que todos os países dessa região investiram para tentar salvar os mais pobres

(Pixabay)

Os 73 bilionários da América Latina e do Caribe aumentaram suas fortunas em 17% somente durante a pandemia do novo coronavírus. Foram US$ 48,2 bilhões que entraram em suas contas de março a junho deste ano.

O valor é equivalente a um terço de todo o dinheiro que os governos dos países dessa região investiram para tentar amenizar a crise econômica que caminha no rastro do vírus.

Só no Brasil, 42 bilionários aumentaram suas fortunas em US$ 34 bilhões no mesmo período. Passaram de US$ 123,1 bilhões para US$ 157,1 bilhões.

Os dados são do relatório “Quem Paga a Conta? – Taxar a Riqueza para Enfrentar a Crise da Covid na América Latina e Caribe”, divulgado nesta segunda-feira (27).

O estudo foi feito pela Oxfam, que revela como esses bilionários ficaram imunes à crise econômica provocada pela pandemia. Tudo isso em uma das regiões mais desiguais do mundo.

“A covid-19 não é igual para todos. Enquanto a maioria da população se arrisca a ser contaminada para não perder emprego ou para comprar o alimento da sua família no dia seguinte, os bilionários não têm com o que se preocupar. Eles estão em outro mundo, o dos privilégios e das fortunas que seguem crescendo em meio à, talvez, maior crise econômica, social e de saúde do planeta no último século”, disse a diretora executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia.

Conforme mostra a organização, desde o início das medidas de distanciamento social para combater a disseminação da covid-19, oito novos bilionários surgiram na região, ou seja, um a cada duas semanas.

Enquanto isso, a estimativa é que 40 milhões de pessoas devem perder seus empregos e 52 milhões vão entrar na faixa de pobreza na América Latina e Caribe em 2020.

Para a Oxfam, os dados apresentados no relatório são assustadores.

“Ver um pequeno grupo de milionários lucrar como nunca numa das regiões mais desiguais do mundo é um tapa na cara da sociedade, que está lutando com todas suas forças para manter a cabeça fora d’água”, ela disse.

“Está mais do que na hora de a elite contribuir, renunciando a privilégios e pagando mais e melhores impostos”, completou Katia Maia.

LEIA TAMBÉM

Segundo a organização, no Brasil, a discussão da reforma tributária não tem levado em conta a necessidade de reestruturar o sistema para que haja a redução das desigualdades e para torná-lo mais progressivo.

Os debates, em andamento no Congresso Nacional, têm tratado da simplificação da tributação sobre o consumo, o que, segundo a Oxfam, não resolve as distorções do sistema no qual quem ganha menos paga proporcionalmente mais imposto do que quem ganha muito.

“Ninguém parece ter a intenção de tocar nos privilégios dos mais ricos, que nunca pagaram uma parte justa de impostos. É como se a maioria da população não tivesse o direito a uma vida digna”.

Reforma tributária

Ao entregar, na semana passada, a proposta de reforma tributária ao Congresso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a primeira parte do projeto do governo tratará apenas da unificação de impostos federais e estaduais num futuro Imposto sobre Valor Agregado (IVA) dual.

O texto do governo será unificado às propostas da Câmara e do Senado que tramitam na comissão mista desde o início do ano.

LEIA TAMBÉM

(Com informações da Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCinco pessoas são presas e oito animais resgatados em rinha de galo na Grande Cuiabá
Próximo artigoGoverno de MT pede que STF declare inconstitucional lei de auxílio financeiro a professores