Crianças conseguem vaga em UTI após intervenção da Defensoria

    O bebê Eduardo Ribeiro dos Santos, um ano e seis meses, passou por um procedimento cirúrgico para retirada de água do pulmão, recebeu transfusão de sangue e iniciou tratamento com antibióticos, para reverter o quadro de pneumonia, desde que foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Jardim Cuiabá, na noite de domingo (18). A família afirma que ele já apresenta melhora.

    Ele foi transferido do hospital municipal Laura Vicunha, em Nobres, 125 km de Cuiabá, após a Defensoria Pública de Mato Grosso conseguir bloqueio de valores do Estado, via Justiça, para que a criança recebesse atendimento na rede privada. Eduardo aguardava vaga em UTI pública desde o dia 14/3, sem previsão de conseguir administrativamente.

    [featured_paragraph]“A família nos procurou com a informação de que o médico já havia desenganado a criança, caso ela permanecesse internada no hospital de Nobres, onde o quadro de saúde dela piorava a cada dia. Conseguir essa vaga foi um milagre, associado à boa vontade e sensibilidade da juíza plantonista, Ana Helena Ronkoski, e ao esforço dos servidores que atuaram para que conseguíssemos viabilizar o atendimento”, explica a defensora pública plantonista, Giovanna dos Santos. [/featured_paragraph]

    O pai de Eduardo, Ademir Benedito dos Santos, 44 anos, afirma que entrou em desespero quando o médico, depois de alguns dias de internação da criança o chamou e disse que, se não o transferissem, ele morreria. “Primeiro agradeço a Deus por ter conseguido essa vaga, depois, à Defensoria, porque o médico me falou ‘seu filho não está melhorando e se continuar aqui, vai morrer’. Isso me desesperou e me fez procurar ajuda jurídica”, conta.

    Santos informa que uma semana antes de ser internado, Eduardo foi diagnosticado com virose por estar com diarreia, vômito e muita tosse. Ele teria sido medicado no Posto de Saúde e voltado para casa. Mas, na semana seguinte, piorou. “Ele é uma criança brincalhona, ativa e ficou triste, sem forças, então levei no hospital. Lá, ele começou a tomar antibiótico, mas só inchava, não comia, até que o médico nos assustou com essa avaliação”.

    Leia também: Henry, nascido há três dias, morreu por falta de UTI Neonatal

    Bloqueio de bens

    A Defensoria Pública conseguiu bloqueio de valores para três dias de UTI, mas o hospital Jardim Cuiabá já informou à família que a criança precisará concluir o tratamento de sete dias. “Já estamos atrás de orçamento para que ele tenha a recuperação da saúde de forma completa. A partir de agora, quem atua no caso é a defensora de Nobres, Elisa Viana, que trabalha para garantir esse atendimento” afirmou Giovanna.

    A defensora avalia que, nesse tipo de atendimento, a sensibilidade e a dedicação das autoridades envolvidas no processo são atributos decisivos para a preservação de uma vida.

    “Como estávamos num município vizinho à Capital, pedi ao servidor que atua como assessor para ir até Cuiabá, buscar orçamentos de hospitais privados, pessoalmente, porque conseguir essa informação é muito difícil. Precisamos de três orçamentos, no mínimo, para que a Justiça decida. E neste caso, especificamente, conseguimos só um e a juíza entendeu a gravidade do caso e optou em solicitar que um oficial de Justiça verificasse a gravidade do caso, numa visita ao hospital. Assim, tiveram elementos para determinar o bloqueio”, informa Giovanna.

    Outro caso

    Laryssa da Silva, um ano e um mês, foi transferida para a UTI do Hospital Regional de Rondonópolis, na manhã desta segunda-feira (18/3). Ela aguardava uma vaga em UTI desde quinta-feira (14/3), quando deu entrada no Hospital Regional de Água Boa, 741 km de Cuiabá, após ingerir soda cáustica e sofrer queimaduras internas e externas.

    O defensor público Wendel Renato Cruz também conseguiu liminar na Justiça para que ela recebesse atendimento na noite de sexta-feira (15/3), mas, diante do não cumprimento da decisão pelo Estado até a tarde de domingo, o defensor plantonista, Rodrigo Machado Fonseca, pediu o bloqueio de valores para que ela fosse para a rede privada. O juiz do caso, no entanto, decidiu ouvir antes o Estado.

    Nesse intervalo, a vaga em Rondonópolis foi aberta. A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde informou que Laryssa deu entrada na UTI de Rondonópolis às 13h10, conforme boletim do sistema de regulação.

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorJosh Broling, o Thanos, ficou chocado com o fim de Vingadores: Guerra Infinita
    Próximo artigoVingadores: Ultimato será focado na formação original do grupo, garante produtor