Crianças e adolescentes têm menos probabilidade de transmitir o coronavírus

A pesquisa foi realizada pela Fundação Oswaldo Cruz e já é considerada um bom argumento para o retorna às aulas presenciais na rede pública

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Uma pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), publicada nesta segunda-feira (10), revelou que as crianças e adolescentes têm menos probabilidade de transmitir o novo coronavírus para adultos.

De acordo com o estudo, as crianças teriam menos chances de transmitir o vírus aos seus professores, por exemplo, mesmo que contaminadas.

Os cientistas usaram a comunidade Manguinhos, no Rio de Janeiro, como local de teste, de maio a setembro de 2020. O resultado foi considerado animador pela equipe.

Ainda segundo o levantamento, todas as crianças que testaram positivo para a covid-19 haviam tido contato com adultos ou adolescentes com sintomas da covid-19. Entretanto, mesmo as crianças contaminadas não contaminavam outros adultos e também não desenvolviam sintomas graves da doença.

De acordo com Patrícia Brasil, coordenadora do estudo, os dados se referem a um momento diferente da pandemia, mas ainda são válidos. A pesquisadora defendeu ainda que não faz sentido manter fechados os colégios.

O estudo servirá de norte para a reabertura das escolas e a volta às aulas presenciais. Vários Estados e municípios ainda mantêm fechados colégios e universidades.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorE-commerce brasileiro registra alta de 35,81% nas vendas em março
Próximo artigoGoverno inaugura escolas com “ensino 4.0”, voltado para práticas tecnológicas