Crianças e a Pandemia

(Foto: Freepik)

Estamos passando por um período conturbado, caótico, onde nem os adultos, nem as crianças possuem experiência prévia. Tudo é novo e a mudança é constante. Oscilamos períodos de alerta vermelho, amarelos e verdes. Períodos em que sentimos e vemos esperança de uma solução, mas logo volta toda a turbulência. Chegamos a acreditar que nossa salvação havia chegado com as vacinas, mas em poucos dias, alguns falecimentos de pessoas vacinadas, voltou a nos abalar. A esperança vem sendo enterrada aos poucos.

As rotinas se alteram constantemente e uma nova fase de aprendizado é iniciada. Ausência de uma sequência, momentos de medo, luto, instabilidade financeira, pânico, dentre outros. As crianças enxergam a preocupação estampada por todos os lados, as alterações no comportamento dos pais e isso gera a elas enorme insegurança. É importante lembrar que enquanto o adulto mantiver a tranquilidade, a criança também estará tranquila.

Mas como manter essa tranquilidade em tempos tão difíceis? Uma maneira de ajudar é sempre falar sobre o que está acontecendo. Posicionar a criança das fases atuais da pandemia de forma que elas possam compreender o comportamento dos adultos. É importante que a criança se sinta respeitada e mais que isso, participando das situações com a verdade.

Vale lembrar, que seu processo de desenvolvimento é contínuo e que durante esse período elas também estarão aprendendo habilidades sociais e de vida valiosas para a formação de um bom caráter. Então vale acatar algumas dicas sobre como ajudá-las durante esse período; procure ser exemplo do comportamento que você gostaria de ver nelas, afinal, como você espera que seus filhos controlem seus comportamentos se você não controla o seu? Estabelecer tarefas domésticas para elas é importante, as crianças aprendem habilidades de vida, desenvolvem interesse social e se sentem capazes ao ajudar nas tarefas domésticas.

Se abracem. As crianças agem melhor quando elas se sentem melhor e você também. Os abraços nos fazem sentir melhor. Em vez de dizer o que “não fazer”, redirecione falando o que “fazer”. Deixe as crianças participarem das decisões com escolhas limitadas (previamente escolhidas pelos pais). Principalmente quando isso afeta as rotinas delas. Estabeleça rotinas e acordos e cumpra com eles. É importante para as crianças a previsibilidade, pois sua ausência pode pegar a criança de surpresa quando ela quiser fazer alguma coisa e pode gerar maus comportamentos. Deixe que a rotina vire o chefe, aliviando os pais dessa função.

Entenda o que chamamos de birra é a falta de controle emocional das crianças. As crianças não possuem a parte do cérebro capaz de controlar seus impulsos desenvolvidas, e diante de um período tão intenso emocionalmente, essa falta de controle emocional pode aumentar, tornando as crianças mais sensíveis. Bom humor pode ajudar os pais e as crianças a deixar o ambiente mais leve. Busque momentos em que vocês poderão dar risadas e se divertirem juntos.                 Pratique auto cuidado e crie um espaço na casa para que os integrantes da família possam se acalmar quando necessário. Reúna para decidir quais objetos serão colocados nesse cantinho, tais como (lápis de cor, gibis, livros, ursos, bonecas, dentre outros). O importante é ter objetos que possam ajudar todos a acalmar e relaxar.

 

Ana Montenegro, Psicóloga

 

 

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno autoriza drive-thru e sistema pegue-leve de restaurantes até 20h45
Próximo artigoHospital São Benedito inicia atendimento exclusivo a pacientes da covid-19