Criança é estuprada pelo pai por 40 dias enquanto era ameaçada com um facão

Ela chegou a ser agredida com o facão duas vezes por se negar a ser estuprada

Imagem ilustrativa

A mãe de uma menina de 11 anos denunciou o pai da filha dela nesse domingo (25) após descobrir que a filha vinha sendo estuprada diariamente pelo pai há 40 dias.

Os abusos estavam acontecendo na casa do suspeito, no Bairro Jardim Imperial, em Sinop (500 km de Cuiabá), desde que a mãe precisou viajar e deixou a filha aos cuidados do pai.

A Polícia Militar foi acionada por um conselheiro tutelar, que estava passando pela rua do suspeito por volta das 20h50 e encontrou a mãe da vítima pedindo ajuda, afirmando que havia chegado nesse domingo do Maranhão e ficado presa na casa do ex-companheiro desde as 16 horas, sob a ameaça dele, que estava armado com uma faca.

Um equipe da PM foi até o local e ouviu a mulher, que contou que estava há 40 dias em Lago da Pedra, no Maranhão, e sua filha havia ficado morando com o pai.

Durante esse período, ela ligava por vídeo para falar com a filha. Em uma dessas ligações, porém, ela percebeu que a filha estava chorando e que algo não estava normal. Nesse momento, porém, o pai dela desligou a chamada e não atendeu mais as ligações por duas semanas.

A mãe, então, voltou para Mato Grosso e foi até a casa do ex-companheiro conversar com a filha. Questionada, a criança contou que o pai a estava estuprando diariamente desde o dia que ela chegou na casa dele.

Segundo a menina, por duas vezes ela chegou até mesmo a apanhar de facão por tentar evitar os estupros. Ela disse, também, que sempre era ameaçada com um facão caso falasse para alguém sobre os abusos.

Diante do relato da filha, a mãe saiu correndo na rua pedindo socorro. Ao ouvirem a história, vizinhos tentaram pegar o suspeito, que fugiu pulando muros.

Os policiais fizeram buscas na casa e encontraram dois pés de maconha. A mãe e a criança foram encaminhadas para a delegacia, onde o caso foi registrado como estupro de vulnerável, ameaça e tráfico ilícito de drogas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“UFMT em casa”: projeto oferece orientação sobre práticas de atividade física
Próximo artigoUm novo hábito!