Covid-19: só 57% dos Estados divulgam dados de etnias indígenas

Um em cada quatro casos não tem informações sobre a cor/raça do paciente e, em algumas situações, índios são identificados como "pardos"

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Depois de mais de seis meses do início da pandemia no Brasil, o país ainda não conhece a real extensão do impacto da covid-19 entre sua população indígena. Isso acontece porque ainda falta transparência nos dados divulgados pelas secretarias municipais e estaduais de saúde.

Um a cada quatro casos de covid-19 e SRAG suspeitos ainda não informa raça/cor, apesar de ser item obrigatório. A omissão dos dados de etnias indígenas é bem maior quando comparada a outros indicadores de raça/cor – apenas 57% dos Estados e 15% das Capitais brasileiras divulgam o dado.

As informações são de relatório especial da Open Knowledge Brasil (OKBR), publicado nesta terça-feira (22).

Nesta primeira edição de uma série de boletins especiais sobre a Amazônia, a OKBR aponta os problemas de gestão da informação e de falta de transparência que dificultam o atendimento a essas populações.

A série tem apoio da Hivos, por meio de sua iniciativa Todos os Olhos na Amazônia.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) contabiliza 426 mortes, mas não considera indígenas que vivem fora de terras homologadas.

Na base de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), que inclui os casos graves de covid-19 que levaram à hospitalização, estão registrados 529 óbitos de pessoas registradas como indígenas em todo o país, em 183 municípios.

Há, ainda, 106 mortes por SRAG de tipo “não especificado” entre indígenas, ou seja, pessoas que tiveram sintomas semelhantes aos provocados pela covid-19, mas não houve testagem para confirmar a doença.

Ainda que somados, esses números oficiais podem estar subestimados por pelo menos três motivos. O primeiro deles é que não consideram óbitos existentes entre as notificações registradas no eSUS-Notifica, onde estão os casos inicialmente considerados leves e sem hospitalização.

O segundo, os registros de Raça/Cor podem ser inconsistentes (por exemplo, um indígena pode ser classificado como “pardo”).

E, por último, um quarto da base completa de casos (25%) ainda não tem especificado o campo Raça/Cor, seja por falta de preenchimento ou por classificar o caso como “ignorado”.

(Fonte: Agência Bori)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO governador e a ativista
Próximo artigoEspecialistas esperam poucas chuvas e incêndios devem continuar no Pantanal