Covid-19: “sabemos que a população vai ser infectada”, diz secretário de Saúde

Gilberto Figueiredo, que não gosta de "exercícios de futurologia", admite que aumento de contágio é inevitável

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo voltou a afirmar que o número de infectados pelo novo coronavírus deve continuar crescendo, o que resultará em maior demanda pelos leitos hospitalares.

Na última quinta-feira (14), quando discursou durante inauguração da nova ala do Hospital Metropolitano de Várzea Grande – unidade de referência para atendimento de pessoas com covid-19 no Estado -, Gilberto afirmou, emocionado, que como secretário de Saúde, sua vontade era que todos pudessem ficar em casa.

“Mas sabemos que a população vai ser infectada. E quanto mais infecção ao mesmo tempo, mais dificuldade para atendermos a comunidade”.

O secretário apontou na ocasião que: “nós não queremos ser campeões em casos, tão pouco campeões em óbito. E eu entendo, eu vim da iniciativa privada e eu sei que a área econômica é muito importante. Não dá para parar todas as atividades”.

Apesar da análise pouco otimista, Gilberto pediu uma olhar “carinhoso” para a situação de Mato Grosso, já que os números de contagiados começaram a crescer significativamente após a flexibilização do isolamento social e retomada de alguns setores econômicos, como o comércio.

Curva de contágio

Desde a flexibilização das medidas de isolamento social, o número de casos da covid-19 em Mato Grosso aumentou 325%, passando de 221 para 941 entre os dias 22 de abril e 18 de maio.

O número de mortes no período aumentou 400%, passando de 6 para 30 óbitos.

Mas a quantidade de leitos para atender essas pessoas também teve crescimento. Passou de 101 leitos de UTI e 400 de enfermaria para 214 de UTI e 695 de enfermaria no período analisado.

A quantidade corresponde aos disponíveis e resulta em um crescimento de 111% em relação às UTIs e 73,7% em relação às enfermarias.

Apesar de o Estado – assim como todas as unidades da federação e a maioria dos países do mundo – ter adotado medidas não farmacológicas para conter o avanço do coronavírus, como por exemplo o uso obrigatório de máscaras – Gilberto admite: “é impossível controlar a adoção dessas medidas pela população”.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLadrões fazem buraco em parede de lotérica, arrombam cofre e levam R$ 4 mil
Próximo artigoMT compra 10,9 mil sacos para enterrar vítimas da covid-19

O LIVRE ADS