Covid-19 e o setor áereo: estudo revela que risco de exposição em aeronaves é baixo

Resultado de estudo é favorável às empresas do setor aéreo o para o turismo, que ainda tentam superar a crise

O risco de exposição ao coronavírus em aviões é muito baixo. É o que revela um estudo do Departamento da Defesa dos Estados Unidos. O resultado é um sinal positivo para o setor aéreo e para o turismo, que tentam se recuperar da crise causada pela covid-19.

Segundo a pesquisa, uma média de 0,003% das partículas de ar dentro da zona de respiração (ao redor da cabeça de uma pessoa com máscara) são infecciosas. Os testes levam em consideração a lotação máxima da aeronave.

Foram seis meses de teste durante 38 horas de voo e 45 horas de testes em solo. Contudo, a movimentação no corredor não foi simulada.

LEIA TAMBÉM

Assim estima-se que para receber uma dose infecciosa, um passageiro teria que voar por 54 horas em um avião com uma pessoa contaminada.

O estudo, realizado a bordo de aeronaves Boeing 777 e 767 da United Airlines, mostrou que as máscaras ajudam a minimizar a exposição à infecções quando alguém tosse, mesmo em assentos vizinhos.

(Com Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImpacto no Rio Cuiabá? Pesquisadores avaliam efeitos das queimadas no Pantanal
Próximo artigoEm live, Bolsonaro condena decisão de Ministro que soltou “André do Rap”