Covid-19: contágio caiu no primeiro mês de campanha eleitoral em MT

Mato Grosso registrou mais de 20 mil casos desde o dia 27 de setembro

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A incidência da covid-19 manteve a tendência de queda em Mato Grosso no primeiro mês de campanha eleitoral. O registro de casos por quinzena foi o menor no Estado após o dia 26 de setembro, quando ficou autorizada a divulgação de candidaturas. 

Essa taxa menor é considerada em relação às duas quinzenas anteriores ao início da campanha eleitoral, seguindo os dados dos boletins divulgados diariamente pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). 

No dia 28 de agosto, Mato Grosso tinha 90.135 casos confirmados para a doença; e no dia 11 de setembro, esse número havia chegado a 104.529, acumulando alta de 15%. 

No 12 de setembro, o acumulado desde o início da pandemia estava em 105.304 e subiu para 120.367 até o dia 26 do mesmo mês. A variação ficou levemente abaixo da quinzena anterior e significou alta de 14% nos casos. 

A campanha eleitoral deste ano ficou autorizada apartir do 27 de setembro, um domingo. Nessa data, Mato Grosso tinha 120.641 casos confirmados e, no dia 11 de outubro, chegou a 132.024 casos. Alta de 9,4% em 15 dias. 

Conforme os dados da SES, a queda se manteve também na segunda quinzena dentro do período eleitoral. No dia 12, eram 132.216 casos e, no dia 26, 140.997. Foram os 15 dias com variação mais estreita, com aumento de 6,6% nos casos. 

O tempo de 15 dias para avaliação da incidência segue as regras estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) de período que seria possível verificar mudança no histórico da pandemia. 

Nos setes dias, de 27 de outubro ao feriado de finados (2 de novembro), Mato Grosso registrou 2.214 novos casos, registrando alta de 1,5% nos casos novos. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistro classifica ataque em Viena como “terrorista islâmico”
Próximo artigoInstituto que acertou em 2016 prevê reeleição de Donald Trump