Covid-19: 2,3 mil prefeituras querem vacinação obrigatória

Mais de 1,5 mil municípios não registraram novos óbitos pela doença

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Nova edição da pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) sobre a pandemia identificou que 2.373 prefeituras concordam com a vacinação obrigatória para a covid-19. O número equivale a 87,7% das 2.705 cidades ouvidas. Apenas 256 municípios (9,5%) foram contrários à medida. Outros 76 (2,8%) não responderam.

Entre os municípios ouvidos, 99,5% começaram a imunização nas faixas etárias abaixo dos 60 anos. Segundo o levantamento, 83 (3,1%) estão na faixa de 45 a 49, 295 (11%) na de 40 a 44, 748 (27,8%) na de 35 a 39, 858 (31,9%) na de 30 a 34, 469 (17,4%) na de 25 a 29 e 217 (8,1%) na de 18 a 24 anos.

Do universo consultados, 1.532 (56,6%) administrações municipais disseram que até 10% das pessoas convocadas não apareceram para tomar a primeira dose. Quanto à aplicação da segunda dose, 1,334 (73,9%) das cidades informaram que menos de 10% do público alvo ainda não concluiu o ciclo vacinal.

Casos e mortes

Entre os municípios, em 1.112 (41,1%) houve redução do número de casos de covid-19, em 229 (8,5%) não foram registrados novos casos, em 849 (31,4%) os casos se mantiveram estáveis e em 450 (16,6%) ocorreu aumento.

Quanto às mortes, em 1.510 (55,8%) não foram registrados novos óbitos, em 536 (19,8%) a situação se manteve estável, em 402 (14,9%) houve queda e em 197 (7,3%) foi detectado aumento das vidas perdidas.

Vacinação

Entre as prefeituras entrevistadas, 764 municípios disseram ter ficado sem vacina contra a covid-19, o equivalente a 28,2% da amostra analisada. Outros 1.907 (70,5%) não informaram ter passado pelo desabastecimento de imunizantes.

Das cidades que não receberam imunizante, 748 (97,9%) ficaram sem a primeira dose. Em 94 (12,3%) das cidades sem vacinas foi registrada a falta da segunda dose. A ausência da primeira e da segunda doses pode ser concomitante.

O levantamento mostrou também que 1.805 (66,7%) das cidades adotam alguma forma de medida de distanciamento ou restrição de horário das atividades não essenciais. Outras 848 (31,3%) responderam não ter lançado mão deste recurso durante a pandemia.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRendimento de alunos caiu até 80% durante os meses de ensino remoto
Próximo artigoCuiabanos voltam às rua em manifestação em defesa do voto impresso e auditável