Cotonicultores brasileiros conhecem a fábrica da Tama, na Bahia

Empresa israelense fabrica com exclusividade o filme especial para colhedora de algodão.

Foto: Assessoria

O presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Milton Garbugio, e uma comitiva de dirigentes das associações estaduais e executivos das entidades, visitou na quinta-feira (20), a fábrica brasileira da empresa israelense Tama.

A indústria está instalada desde 2014 no município de Feira de Santana, na Bahia. A companhia é a fabricante exclusiva dos filmes plásticos TamaWrap para as colheitadeiras John Deere 7760 e CP 690.

Os fardos cilíndricos, envoltos no plástico amarelo, são considerados uma revolução no modo de colher a fibra em todo o mundo. Estima-se que produto já tenha participação em cerca de 85% da safra brasileira de algodão.

A unidade na Bahia, a única a produzir o TamaWrap fora de Israel, supre a demanda do Brasil, da Argentina e da África. Atualmente, sua capacidade produtiva é de 3,3 milhões de unidades do produto ao ano. Cada unidade representa um fardo de algodão no campo.

Foto: Assessoria

Iniciativas

Na visita, os produtores aproveitaram a oportunidade para falar de iniciativas que já desenvolvem e contam com o apoio – dentre outras empresas – da companhia, como o movimento Sou de Algodão, que entrou no quarto ano de atividade.

Em 2018, a Tama desenvolveu uma campanha engajada ao movimento. “Fizemos uma série especial do TamaWrap com tiragem suficiente para enfardar, aproximadamente, 1950 fardos com a logomarca do Sou de Algodão. Esses cilindros customizados ficavam à beira das rodovias, na Bahia e no Mato Grosso, e chamavam atenção de quem passava pela estrada”, lembra o gerente de Vendas e Marketing da Tama Brasil, Bruno Caetano Franco.

Sou de Algodão

O movimento Sou de Algodão é uma iniciativa liderada pela Abrapa, com ênfase em sustentabilidade, que visa a divulgar os atributos positivos da fibra natural e conquistar mais espaço na preferência do consumidor brasileiro.

“Quando a John Deere e a Tama uniram suas tecnologias, revolucionaram o jeito de colher algodão. Esse novo modelo mudou tudo, desde o tempo que a gente leva na colheita até a logística. Foi muito bom ver de perto como essas embalagens são produzidas. São produtos de alto valor agregado, e custo alto também, mas que representam mais qualidade e agilidade no processo”, afirmou Milton Garbugio.

“Abrir a porta para o produtor nos permite entender suas demandas e trabalhar conjuntamente no desenvolvimento das soluções que precisam”, completa Bruno Caetano Franco.

Segundo ele, para esta safra, a empresa está trabalhando numa embalagem alternativa, projetada para a armazenagem do algodão por períodos de três a quatro meses. “Trata-se ainda um projeto piloto, com produção limitada a 150 mil unidades e preço reduzido em comparação ao tradicional”, revela.

A Tama nasceu no Kibbutz Mishmar Ha’Emek, em Israel, comunidade agrícola, e tem 70 anos de expertise no desenvolvimento de produtos para o enfardamento de cultivos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNorte Show 2020 será lançada dia 12 de março e reforça foco no produtor rural
Próximo artigoAntigo cinema Cinearte fecha as portas após 56 anos em São Paulo

O LIVRE ADS