Cotistas de resort de luxo reclamam de prejuízos e descumprimento de contrato

350 colaboradores do Malai Manso dizem que não existe clareza sobre as contas do empreendimento

(Foto: Assessoria)

Cerca de 350 cotistas do clube de luxo Malai Manso Resort reclamam de descumprimento de contrato pelo empreendimento sobre os direitos de investidor. Eles não teriam acesso à prestação de contas detalhada e nem administram os custos de manutenção. 

A reclamação veio a público nesta terça-feira (16), em ação conjunta dos 350 colaboradores.

Conforme o comunicado, os administradores “não revelam as estratégias adotadas e nem os planos de gastos e investimentos”, além disso, as taxas de condomínio cresceram nos últimos dois anos “muito além dos índices o setor”. 

Paralelamente, a liquidação dos ativos estaria sendo “frustrada” por dificuldade de negociação. A situação desencadeou uma série de processos judiciais contra o resort. 

“As razões se baseiam no elevado custo de manutenção do empreendimento e nenhum retorno gerado pelo investimento, por dificuldades na locação e no uso dos direitos sobre os imóveis, que tem resultado na dificuldade em encontrar terceiros que estejam dispostos a comprar as cotas em uso”, diz trecho do comunicado. 

Os cotistas afirmam que o resort não implantou um balcão de negócios, previsto no contrato de compra de cotas, para a promoção da locação dos imóveis. Parte do lucro deles viria dessas negociações, visto que poderiam abrir mão das quatro semanas por ano que têm direito de utilizar as acomodações e negociá-las.   

Dizem ainda que o intercâmbio de acomodação com outros hotéis e resorts, dentro e fora do Brasil, também não estaria em vigor. Essa transação faria parte do preço das cotas ofertas pelo Malai.

O que diz a empresa? 

O LIVRE procurou a assessoria de imprensa do resort com pedido de posicionamento quanto à reclamação, mas não houve retorno até a publicação desta matéria. 

O espaço segue aberto para manifestações.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEx-vereadora e marido são condenados a devolver R$ 6,2 milhões
Próximo artigoMunicípios de MT já receberam R$ 1,2 bilhão de auxílio federal