Corregedoria do MP arquiva investigação contra promotores acusados de grampos

Corregedor-geral adjunto, João Augusto Gadelha diz que acusações de militares não tiveram provas que sustentam prática de crimes

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Corregedoria Geral do Ministério Público de Mato Grosso (MP) arquivou a sindicância contra os promotores Marco Aurélio de Castro, Samuel Frungilo, Marcos Regenold Fernandes e Marcos Bulhões dos Santos, que eram investigados por suposta fraude para interceptação telefônica de políticos.

O corregedor-geral adjunto, João Augusto Veras Gadelha, diz no relatório final que não há provas que sustentem a denúncia de que os promotores teriam recorrido à falsificações de documento para grampear as linhas telefônicas de agentes públicos suspeitos de crimes.

“Conclui-se das diligências investigatórias realizadas que, diante das circunstâncias específicas deste caso, não há provas suficientes de caraterização de infração disciplinar”, disse.

Os quatro promotores passaram a ser investigados após denúncia do então cabo da Polícia Militar Gerson Corrêa Júnior e do coronel Evandro Alexandre Ferraz Lesco, em desdobramento do escândalo da central de grampos, que funcionaria no Palácio Paiaguás na gestão Pedro Taques (2015-2018).

Acusações

Conforme a denúncia do militar, Marco Aurélio, Samuel Frungilo, Marcos Regenold e Marcos Bulhões teriam falsificado assinatura e usado dados de processo judicial contra terceiros para conseguir rastreamento telefônico.

A deputada estadual Janaína Riva (MDB) e membros da família do ex-governador Barbosa (sem partido) teriam sido alvo dos grampos. O objetivo seria chegar a informações sobre supostos crimes cometidos pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, e também por Silval.

Ambos têm acordo de delação premiada assinado com a Procuradoria Geral da República (PGR) e o Ministério Público de Mato Grosso (MPE).

O então cabo Gerson Corrêa disse ainda que os promotores teriam utilizado operações do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) para incluir as linhas telefônicas de Janaína Riva e da ex-primeira-dama Roseli Barbosa na lista de escutas.

Quanto ao caso da deputada Janaína, o corregedor-geral adjunto diz no relatório que restou demonstrado que o subterfúgio apresentado pelo cabo Gerson para que Marco Aurélio tivesse interesse em interceptar a deputada de forma ilegal não subsiste.

Já sobre a acusação de falsificação de assinatura, os militares não apresentaram documento [falsificado] e tampouco souberam indicar seu paradeiro, tudo aliado ao fato da negativa da prática do delito encontrar-se corroborada pelo depoimento do próprio analista, sargento Boaventura.

O relatório final da sindicância foi assinado no dia 2 deste mês pelo corregedor-geral adjunto. O processo tramita em sigilo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGuia do MEC diz que Mato Grosso já tem condições de reabrir escolas
Próximo artigo“Público e notório”