Lesco: Paulo Prado ofereceu placas do Gaeco para esquema de grampos

Informação foi repassada durante reinterrogatório, nesta terça-feira

(Foto: Ednilson Aguiar /O Livre)

O esquema de escutas ilegais, conhecido como Grampolândia Pantaneira, teria contado com auxílio do Ministério Público do Estado (MPE) para funcionar. A informação veio a público nessa terça-feira (16), durante reinterrogatório dos coronéis Evandro Lesco e Zaqueu Barbosa ao juízo da 11ª Vara Militar de Cuiabá.

De acordo com Lesco, as placas usadas para o sistema de interceptação telefônica que grampeou políticos, advogados e jornalistas, teriam sido cedidas pelo então procurador-geral do MPE, Paulo Prado. Quem percebeu o caso, segundo o coronel, foi o cabo da Polícia Militar Gerson Luiz Correia Ferreira Junior, que também é réu nesta ação.

Gerson trabalhava diretamente na inteligência do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do MPE, e foi “recrutado” para o grupo de grampos clandestinos por Zaqueu Barbosa, que também já trabalhou no Gaeco.

Segundo as declarações prestadas à Justiça, existiam apenas duas placas dessas em Mato Grosso: uma ficava com a Polícia Civil e a outra com o Ministério Público. Essa placa do MPE teria sido, meses antes do início dos esquemas, entregue pessoalmente por Gerson ao procurador-geral Paulo Prado.

Quando Gerson passou a operá-las para as escutas clandestinas, ele percebeu que tinham a mesma numeração. Então, ele reportou o caso ao coronel Lesco, segundo o mesmo revelou.

“Não fosse essa iniciativa, dessa placa ser doada, em condições que não sei esclarecer, não precisaríamos hoje estar aqui reunidos. Eu como réu, não precisaria estar toda a imprensa mobilizada para apresentar esses fatos à sociedade. A iniciativa foi do procurador de Justiça Paulo Roberto Jorge do Prado”, disse Lesco, na audiência.

Depoimentos coincidem

As declarações do coronel Lesco sobre o caso corroboram com as informações reveladas pelo coronel Zaqueu Barbosa, também em depoimento na tarde dessa terça-feira.

Zaqueu afirmou que, no início da operação, acreditou que o ex-secretário Paulo Taques – a quem responsabilizou pelo início do esquema – havia adquirido o equipamento no Rio de Janeiro. Na época, ele teria recebido o equipamento das mãos do coronel Celso Barboza, já falecido.

Contudo, segundo ele, meses depois descobriu-se que, na realidade, as placas utilizadas seriam exatamente as mesmas do Ministério Público de Mato Grosso.

Outro lado

O LIVRE buscou contato com o procurador Paulo Prado para questionar sobre as declarações dos coronéis. Contudo, não teve resposta até a publicação desta matéria. O espaço segue aberto.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDiretora de Lady Bird vai comandar filme live-action da Barbie
Próximo artigoFim das curtidas no Instagram! Teste começa hoje no Brasil