Coronavírus se espalhou pela cidade de Cuiabá em menos de duas semanas; veja

Capital tem incidência baixa na comparação com outras cidades no Brasil, mas os pacientes têm residência em todo perímetro urbano

(Foto: Ednilson Aguiar / O LIVRE)

O contágio pelo novo coronavírus expandiu para os modos comunitário e local em Cuiabá no prazo de dez dias. O registro dos casos continua difuso, mas agora não é mais possível identificar o vetor e o paciente. 

A avaliação está na atualização mais recente do mapeamento que o Departamento Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) está fazendo da evolução do contágio na Capital em parceria com a Coordenação de Vigilância Epidemiológica. 

Segundo o professor Emerson Soares dos Santos, responsável pelo setor de geoprocessamento e de geografia da saúde da UFMT, o registro do contágio na Capital está semelhante ao traçado em outras regiões do Brasil – um início com a importação do vírus e a progressão para os modos comunitário e local. 

“Os primeiros mapas que montamos mostram que os primeiros registros da doença estavam difusos, mas restritos aos bairros de classe econômica média e alta. Pessoas que chegavam de outros países ou de outros Estados trouxeram o contágio. Agora, não. Ele continua difuso, mas espalhou-se para as áreas de bairros dos pobres”, explica. 

Essa localização dos pacientes está registrada no mapa divulgado pelo departamento, na primeira semana de abril.

Agora, o levantamento mostra que há casos confirmados para covid-19 do residencial dos Florais ao Parque Atalaia, do Santa Rosa ao Jardim Imperial e de 1º de Março ao centro-sul. 

“Vale alertar que são números baixos, mas eles estão difundidos pelo perímetro urbano de Cuiabá. Não existe mais aquela restrição a bairros de classex média e alta, como Quilombo, Florais ou Boa Esperança”. 

Casos no mapa 

O mapeamento mais atualizado pelo grupo de estudo tem dados do dia 11 deste mês. Até essa data, Cuiabá tinha 67 resultados positivos para a covid-19. 

A maioria dos pacientes, 55 pessoas, mora em Cuiabá e outros 12 são pessoas sem residência fixa na Capital. A localização de dois pacientes não tinha sido registrada até o fechamento da última atualização.  

(Foto: Reprodução/Departamento de Geografia da UFMT)

Vinte e cinco bairros tinham registro da doença. O maior número deles (11) tinha apenas um caso, seis tinham dois casos, quatro tinham três casos e um, a região da Morada da Serra, tinha sete. 

Apenas os bairros em áreas mais isoladas do centro urbano, como Pedra 90 e Osmar Cabral não aparecem no traçado do contágio.  

O índice de mortalidade em Cuiabá é zero. 

Incidência 

Balanço divulgado hoje pela Coordenação de Vigilância Epidemiológica de Cuiabá mostra que entre o dia 12 de março a 11 de abril houve crescimento de 67% contágio do novo coronavírus na Capital. 

A taxa de incidência no período ficou em nove casos para cada grupo de 100 mil. Taxa acima da registrada para média do Estado, de 3,5/100 mil. 

Contudo, na comparação com outras capitais, Cuiabá está distante das cidades com mais casos. Boa Vista (RR) teve no mesmo período a incidência de 26 casos para cada 100 habitantes. Essa proporção a colocava na 11ª posição dentre as capitais brasileiras. 

O vizinho Distrito Federal, que está na parte de cima da tabela de incidência, registrou nesse domingo a média 204,5 casos positivos para 100 mil. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior2ª edição da Oeste Rural Show é transferida para setembro
Próximo artigoSaldo de US$ 4,7 bilhões