Coronavírus e o mercado: você sabe como é definido o preço abusivo?

Consumidores devem procurar o Procon e a polícia em caso de suspeita

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Desde o começo da pandemia do coronavírus, apenas o Procon de Mato Grosso instaurou 140 procedimento relacionados a cobrança abusiva de produtos, entre eles máscaras, álcool gel, medicamentos e até mesmo alimentos.

Mas, você sabe como é calculado um preço abusivo e o que fazer quando há suspeita?

O coordenador de Fiscalização do Procon em Mato Grosso, Ivo Vinícius Firmo, explica que o cálculo é complexo e muitas vezes leva em consideração as entradas e saídas da empresa em um período de 90 dias.

Nele, são consideradas questões que vão além da empresa, como o valor pago para as fábricas que produzem e ainda o aumento da procura e as leis de mercado.

Ele explica que não envolve apenas o percentual de lucro, uma vez que se a pessoa comprava o produto por R$ 2 e vende a R$ 4, ela tinha 100% de ganho. Contudo, se agora ela paga R$ 10 e empregar a mesma porcentagem, passará a comercializar por R$ 20, passando o lucro de R$ 2 por unidade para R$ 10.

Sendo assim, é preciso de debruçar no histórico da empresa para avaliar as justificativas, identificando o que é justo, do que é abusivo e oportunista.

Conforme o especialista, muitos consumidores não fazem a denúncia porque não conseguem identificar o preço exagerado.  O motivo é falta de parâmetro, já que os materiais não eram usuais.

No entanto, o Procon avalia que para muitas categorias, que comprovam habitualmente os materiais, a avaliação chega a ser automática e precisa ser denunciada ao Procon e até mesmo a polícia.

Vale lembrar que, caso constatado o abuso no preço, o empresários pode pagar multa que variam conforme o tamanho da empresa e os valores envolvidos na prática. Além de que podem responder criminalmente.

 

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem pressa ou intervenções: aumenta a busca das mulheres pelo parto em casa
Próximo artigoMT teve 797 novos casos confirmados

O LIVRE ADS