Controle químico não deve ser única tática adotada para o combate ao bicudo-do-algodoeiro

O assunto é abordado na Circular Técnica 40 do IMAmt, publicada no mês de março de 2019

Foto: José Medeiros/IMAmt

O bicudo-do-algodoeiro é a principal praga da cultura do algodão e requer a atenção dos produtores rurais. Causador de queda acentuada de botões florais e abertura irregular dos capulhos, o inseto eleva a necessidade de aplicações de inseticidas e, consequentemente, os custos de produção, como na safra brasileira 2015/2016 quando as perdas somadas aos custos de controle registraram um valor médio de US$ 360 por hectare. Segundo especialistas, o controle químico não deve ser a única tática adotada para o controle do bicudo-do-algodoeiro.

O assunto é abordado na Circular Técnica 40 do IMAmt, publicada no mês de março de 2019, assinada pelos pesquisadores Dr. Jacob Crosariol Netto e Dr. Guilherme Gomes Rolim, além do coordenador de projetos e difusão do Instituto, Marcio Souza.

O elevado potencial do bicudo-do-algodoeiro como praga é decorrente do ataque às estruturas reprodutivas do algodoeiro, ocasionando queda acentuada de botões florais e abertura irregular dos capulhos. Conforme os especialistas do IMAmt, o controle químico não deve ser a única tática a ser adotada pelos produtores para combater a praga.

“Para maior sucesso no controle dessa praga, é necessária a adoção/realização de um conjunto de táticas que envolvem escolha correta de moléculas inseticidas, regulagem de equipamentos de aplicação, destruição efetiva de restos culturais (soqueiras/tigueras), monitoramento de populações durante o período da entressafra, entre outras. No entanto, a utilização dessas táticas de forma isolada em grandes áreas de cultivo surte poucos efeitos contra a população da praga”, afirmam os pesquisadores.

No final da safra 2014/2015 o Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), em parceria com produtores rurais, iniciaram um projeto de controle efetivo do bicudo-do-algodoeiro. A partir de então, grupos regionais denominados GTA (Grupo Técnico do Algodão) começaram a ser formados. “Cada grupo foi montado regionalmente, com intuito de entender as características de cada região, e, a partir disso, planejar e executar de forma conjunta ações regionais visando à redução populacional do bicudo-do-algodoeiro”, explicam os pesquisadores.

Inicialmente foram criados nove grupos localizados nas principais regiões produtoras de algodão em Mato Grosso. Cada grupo é composto por produtores, diretores e gerentes de fazendas, agrônomos, técnicos agrícolas, consultores e pesquisadores. “Além de tratarem das estratégias para o controle do bicudo-do-algodoeiro, os grupos também discutem sobre cultivares, doenças, plantas daninhas e outros tratos culturais importantes para a boa condução da lavoura, que são compartilhados entre os integrantes”.

Ainda de acordo com a Circular Técnica do IMAmt, o atual cenário possui componentes que contribuem para que a presença do bicudo-do-algodoeiro seja frequente, como a retirada de moléculas de alta eficiência de controle (como Endosulfan e Parationa Metílica) e redução da eficiência dos piretroides, por exemplo, bem como o crescente índice de adoção e desenvolvimento de novas cultivares resistentes a uma série de herbicidas, o que acarreta maior dificuldade no controle das soqueiras e tigueras de algodão. “Desta forma com o iminente crescimento das áreas de cultivo de algodão no Brasil, principalmente no cerrado, é de extrema importância a manutenção e a criação de novos grupos com o mesmo propósito”, concluem os pesquisadores do IMAmt.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJuiz condena vereador que contratou latrocida para trabalhar na Câmara
Próximo artigoAcrimat em Ação já levou informação a mais 3 mil pecuaristas de MT