Contrata-se! Em Lucas do Rio Verde, empresas “penam” por funcionários bilíngue

Segundo empresária, até mesmo as escolas de idioma têm dificuldade em encontrar pessoas e a oferta de vagas só aumenta

(Foto: FreePik)

O mercado de trabalho em Lucas do Rio Verde (350 km de Cuiabá) está aberto para  pessoas que falam inglês fluentemente. Desde a sua formação, a cidade recebe empresas que possuem relações comerciais com outros países, o que torna a habilidade de se comunicar em outro idioma um diferencial.

Não atoa, o ensino do idioma para a população local – desde a infância – ganhou destaque entre os candidatos a prefeito na eleição deste ano. Miguel Vaz (Cidadania), um dos postulantes ao cargo, incluiu a implantação de escolas bilíngue na rede municipal de ensino em seu plano de governo. A proposta que o sistema comece a operar já em 2021.

“Temos aqui várias empresas multinacionais que já exigem uma segunda língua para a contratação em setores específicos. Queremos garantir aos nossos alunos as mesmas oportunidades que as crianças do ensino privado têm”.

Quem conseguiu uma oportunidade

Taiane de Cássia, 24 anos, é exemplo deste cenário. Graduada em Relações Internacionais, ela se mudou para Lucas do Rio Verde e, hoje, trabalha como recepcionista em um hotel. A jovem veio de Recife (PE) e está em Lucas há apenas um ano. O fato de ter uma segunda língua no currículo foi essencial para ser contratada.

“No hotel onde trabalho, apenas eu falo inglês e esse é o meu grande diferencial”, ela conta com um sorriso nos lábios.

Taiane diz que falar inglês era um sonho de menina e que foi conquistado com muito esforço e determinação. “Me apaixonei pela língua inglesa na adolescência. Estudei muito e consegui um intercâmbio no Canadá, onde morei por seis meses. No meu retorno, fiz mais um curso no Senai, o que me capacitou a ter um inglês fluente”.

(Foto: Reprodução)

Procura-se funcionários bilíngues

Lindalva Santos é gerente de um grande hotel da cidade e sabe bem como é difícil contratar pessoas que tenham no currículo a língua inglesa. Segundo ela, essa é uma exigência que está ficando cada vez mais comum em Lucas do Rio Verde.

“Com a instalação de multinacionais e o aumento do fluxo de estrangeiros na cidade, a rede hoteleira precisou se adequar ao mercado com a contratação de profissionais que falem uma segunda língua”, argumenta.

A gerente explica que ainda tem dificuldade quando precisa contratar um funcionário para a recepção, por exemplo, que funciona em quatro turnos. “Ainda falta incentivo e oportunidades para que mais pessoas tenham acesso ao curso de línguas. Como é muito caro, a grande maioria não tem condições financeiras de pagar as aulas”.

Empresária do ramo hoteleiro, Fabíola Gonçalves – em Lucas há 10 anos – acompanhou o crescimento da cidade e percebe a necessidade de cursos de formação de profissionais: o inglês é um deles.

Segundo ela, o agronegócio impulsiona a vinda de muitos estrangeiros para Lucas e a cada vez mais é necessário que a rede hoteleira acompanhe esse desenvolvimento.

“Aqui no hotel, acabei suprindo essa necessidade de profissionais bilíngues, pois falo inglês e espanhol. Se eu precisar contratar um profissional que fala inglês, hoje, sei que terei dificuldades, pois até as escolas de línguas enfrentam esse problema, não encontram professores capacitados para dar aulas”, explicou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAutossabotagem
Próximo artigoCandidato e propina