Consultas pela internet e receita digital: saiba como conseguir um médico sem sair de casa

Não correr riscos desnecessários de contrair covid-19 é um dos principais benefícios da teleconsulta e motivos pela qual ela é procurada

Imagem Ilustrativa (Foto: Freepik)

Em meio à pandemia de covid-19 até ir ao consultório médico pode ser um risco à saúde. Mas a telemedicina – modalidade à distância, já praticada antes da pandemia – tem se mostrado uma alternativa para quem não quer deixar de se prevenir contra a doença.

Mas, em Cuiabá, apenas a rede privada de saúde oferece as consultas médicas não presenciais.

Um levantamento da Unimed aponta que o serviço já foi usado por 1.194 pacientes na Capital. Os dados foram contabilizados até o dia 13 de julho. Para as próximas semanas, mais de 300 consultas já estão agendadas.

A alta na procura é confirmada pelo médico infectologista Cassius Clay Azevedo. Não correr riscos desnecessários está entre os benefícios de ser atendido em uma teleconsulta, segundo ele.

LEIA TAMBÉM

Profissionais de quase todas as especialidades já aderiram. A Unimed, por exemplo, oferece e telemedicina ambulatorial em especialidades como cardiologia, infectologia, clínica médica, pediatria e medicina da família e comunidade.

Mesmo se o paciente precisar de uma receita médica, não há necessidade de deslocamento.

Nesses casos, o documento é assinado on-line com assinatura digital. A prescrição é enviada para o e-mail ou outro canal eletrônico do paciente.

E a rede pública?

O serviço ainda não é oferecido pela rede pública estadual. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), a telemedicina está em fase de implantação em Mato Grosso.

O serviço oferecido é a teleconsultoria, através do “Telessaúde MT”. O programa, porém, não atende pacientes, mas presta consultoria aos profissionais de saúde.

Não há previsão para o início do teleatendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

A reportagem entrou em contato a rede de saúde da Capital, mas não obteve resposta.

O que pensa o CRM?

Presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM-MT), Hildenete Monteiro diz acreditar na eficácia da telemedicina, especialmente, segundo ela, em um momento em que a aglomeração e o contato físico estão impedidos.

“É algo que pode ser feito. O ideal é que, se for um paciente novo, se faça uma consulta presencial primeiro para fazer o histórico. Ou, se não for possível, elaborar um prontuário o mais completo que der”, afirma.

Os riscos, entretanto, não são deixados de lado. Para Hildenete, a relação médico-paciente é a que a fica mais abalada.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.