Conselho Nacional de Justiça apura autorização para desfile de crianças órfãs

Desfile aconteceu na terça-feira, em um shopping de Cuiabá, para dar visibilidade à causa da adoção

Realizado em maio, o desfile Adoção na Passarela foi alvo de críticas até internacionais (Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, abriu um procedimento para apurar a regularidade do desfile de crianças que aguardam na fila da adoção, realizado na última terça-feira (21) pela Comissão da Infância e Juventude da OAB-MT, em parceria com a Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara), com autorização da 1ª Vara da Infância e Juventude de Cuiabá.

Para isso, ele determinou que o corregedor-geral de Justiça de Mato Grosso, desembargador Luiz Ferreira da Silva, preste informações sobre o caso.

O pedido de providência foi feito por meio de ofício enviado nessa quinta-feira (23). A Corregedoria-Geral de Justiça de Mato Grosso tem 15 dias para prestar as informações.

De acordo com a assessoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ao instaurar o procedimento o ministro observou que o CNJ pode receber denúncias de qualquer interessado referente à atuação de magistrados e servidores judiciários em todo o país, e tem competência para abrir investigações.

No entanto, não deixou claro se o procedimento foi, de fato, baseado em denúncias. A assessoria do Tribunal de Justiça de Mato Grosso também informou ao LIVRE que o tribunal não havia sido notificado do pedido até a manhã desta sexta-feira (24).

Evento polêmico

O que era para ser uma noite positiva para a causa da adoção acabou se tornando alvo de uma grande polêmica e causando reações negativas por todo o país. Além de estampar noticiários nacionais, o desfile chamado “Adoção na Passarela”, realizado em um shopping de Cuiabá, também recebeu críticas de diversos políticos.

Um abaixo-assinado contra a iniciativa chegou a ser criado no site Petição Online. O principal argumento dos críticos ao evento foi a exposição das crianças e adolescentes com idades entre 4 e 17 anos.

Presidente da comissão da OAB-MT, a advogada Tatiane Barros comentou que ouviu que o desfile das crianças poderia ser comparado a feira de escravos, prática comum séculos atrás, quando pessoas eram expostas e oferecidas em público, como mercadorias.

Para a advogada, as críticas ao evento são fruto de uma interpretação equivocada do propósito do evento. “Nós mesclamos crianças aptas à adoção e crianças que já tinham sido adotadas; então, não teve esse negócio de: ‘vai entrar fulana, que busca uma família, que está esperando’. Não teve nada disso”, ela garantiu.

Nos últimos dias, os organizadores concederam diversas entrevistas no intuito de esclarecer o ocorrido e ampliar a visibilidade a respeito da situação daqueles que aguardam por um lar.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. É CONSTRANGEDOR A AUTORIZAÇÃO DE ADOÇÃO DESTA MANEIRA, NENHUM CALOR HUMANO, CRIANÇAS EXPORTAS AOS OLHARES, COMO PODE?, EU NÃO SEI DE QUEM AUTORIZOU ESTA IDEIA ESTAPAFÚRDIA, SEM NOÇÃO E SEM CORAÇÃO QUEM CONCORDOU, VERGONHA.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPreso em casa em chamas, homem se esconde em tanque de água e morre carbonizado
Próximo artigoJustiça bloqueia R$ 3,57 bilhões do MDB, PSB, políticos e empresas